As Obrigações dos Maçons: VI. 3 – Conduta quando os Irmãos se reúnem sem estranhos, fora de uma Loja constituída

Saudar-se-ão uns aos outros de maneira cortês, como ensinados, chamando-se de Irmãos, dando livremente as instruções de modo que for conveniente, verificando que não são vigiados ou observados; sem ultrapassar o limite, ou faltar ao respeito que é devido a todo o Irmão, mesmo que não seja um Maçom; porque todos os Maçons são iguais, Irmãos, ainda que a Maçonaria não elimine a honraria do homem antes de sua Iniciação, ou sequer acrescente algo a esta, especialmente se tenha merecido respeito da Fraternidade, que deve honrar aquele que é merecedor, e evitar comportamento impróprio.

Fora de Loja, os maçons devem mutuamente tratar-se como se irmãos de sangue fossem: saudar-se como dois irmãos se saúdam, falar um como o outro como dois irmãos o fazem, manter relações de cordialidade e amizade e consideração e cumplicidade em tudo similares às dos irmãos.

Nenhum tratamento mais distante do que esse é admitido entre os maçons, seja qual for a sua antiguidade, os ofícios que exercem ou não. Um recente Aprendiz trata e é tratado pelo Grão-Mestre desta forma – e por nenhuma outra.

No entanto, esta Obrigação deixa também claro que a igualdade fundamental entre maçons, a fraternidade que é razão de ser da instituição e norma de conduta irrevogável para todos, não afasta ou ultrapassa as posições sociais, a consideração e o respeito devido pelo que o indivíduo já era antes da sua iniciação e continua a sê-lo depois dela.

O marceneiro não pretende ensinar o Padre Nosso ao vigário e o ministro religioso não busca ensinar aquele a fazer móveis. O escriturário não se arroga condições para estar mais bem preparado para fazer diagnósticos que o médico e este reconhece que sabe bem menos de técnica de arquivo, elaboração e encaminhamento de documentos do que aquele.

A fundamental igualdade da Maçonaria não é vão igualitarismo, não é pretender-se que todos sejam tratados por igual, de igual modo. É aplicar a máxima de que o que é igual deve ser tratado de forma igual e o que é diferente suscita diferente tratamento.

A igualdade fundamental da Maçonaria indubitavelmente que implica a igual consideração, o igual respeito, a igual atenção, pelo que de fundamentalmente igual todos temos: a nossa Humanidade, a nossa capacidade de aprender, o nosso propósito de melhorar, enfim a absolutamente igual dignidade da pessoa humana, que implica que todos nascem livres e iguais em direitos e deveres. Não é por um ser marceneiro que se pode ou deve presumi-lo como menos capaz do que o ministro, tal como os maçons não consideram o médico mais nobre ou digno de respeito do que o escriturário. Em Maçonaria, ser operário ou trabalhador manual e ser intelectual ou colarinho branco são apenas ocupações, formas de trabalhar, de ganhar a vida honestamente, não fontes de diferenciação ou de primazia ou de análise de valia pessoal. O importante é que cada um seja, e procure ser o melhor que lhe seja possível no seu campo de atividade, o melhor que consiga enquanto pessoa.

O maçom não confunde igualdade com igualitarismo, porque este procura igualizar por baixo enquanto aquela busca nivelar por cima. Com efeito, o igualitarismo, o entendimento de que todos devem ser tratados por igual, que todos são iguais, apesar de evidente e naturalmente todos sermos diferentes, nivela por baixo, diminui os naturalmente mais capazes ou mais desenvolvidos para o plano dos menos preparados ou dotados, única forma de todos igualizar. Mas a verdadeira igualdade, reconhecendo que a dignidade e a humanidade de todos é essencialmente igual, atenta em que as condições sociais, a educação, as diferenças de caráter, a pura aleatoriedade da vida fazem destes seres estruturalmente iguais indivíduos com diversas caraterísticas, diferentes saberes, diversificadas escolhas. Todos temos formas diferentes mas essas formas são todas feitas da mesma massa. A aspiração de todos os diferentes é igual: atingir o máximo do seu potencial. E é isso que a Maçonaria reconhece, busca e acalenta.

A igualdade fundamental praticada pela Maçonaria permite lograr que o marceneiro, o ministro, o escriturário e o médico sejam, cada um deles, aquilo que são, que a sua história e evolução pessoal determinam, mas adicionando a cada um deles algo do que os outros sabem e são e sentem. E assim todos e cada um deles sabem um pouco de fazer móveis, de teologia, de fisiologia e de técnicas de arquivo – para além daquilo que a fundo conhecem. A igualdade dos maçons é a igualdade do desejo de melhorar, de aprender, a igualdade na capacidade de o conseguir, a igualdade no propósito de o fazer em conjunto, partilhando saberes, dores, alegrias, projetos, êxitos e fracassos.

Fonte:

  • Constituição de Anderson, 1723, Introdução, Comentário e Notas de Cipriano de Oliveira, Edições Cosmos, 2011, página 134.

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra” em 07 março 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish