Caminho esotérico

Há já algum tempo, em 8 de Novembro do ano passado, dei aqui conta do lançamento do livro de Miguel Roza Salpicando Poesia. Nele, o autor precede cada poema de um texto, que o introduz e enquadra.

Miguel Roza deu autorização para aqui publicar um dos poemas do livro e respectivo texto prévio. Foi escolhido o conjunto, criado em Julho de 2003 cujo poema se intitula Caminho esotérico.

É bom estar em Cabanas. Tenho períodos de repouso e sossego. Dá-me tempo para estar e pensar. Revejo-me. Analiso-me. Estudo-me. As pessoas não podem viver só para o exterior. Não. A auto-introspecção é necessária para a auto-construção. Esta nossa vida em corridas profissionais, trabalhos feitos e por fazer, preocupações económicas, pedidos de ajuda de todos os lados, etc. etc., obrigam-nos a esquecermos-nos de nós próprios. É importante ter tempo para pensar. Ter tempo para a reconstrução do nosso próprio edifício interior, que se vai autodestruindo sem nós darmos por isso. Parem, por amor de Deus, de vez em quando. Ponham novamente no seu lugar as pedras que se desmoronaram. Salvem uma vez mais o vosso edifício. Tentem ser minimamente humanos em toda a acepção da palavra.

Ainda resta tempo para tal!

CAMINHO ESOTÉRICO

1

Estarei eu fadado para ser
O herdeiro duma herança perdida?
Do poeta de quem o “saber”
Foi pesquisa de toda a vida.

2

Percorro a senda do seu Graal
Por ínvios caminhos do saber.
Só que o Graal supremo, do astral,
Só de alguns é dado a sorte ter.

3

Quero, como tantos, saber ter
O saber que poucos alcançaram.
O Templo que quero conhecer,
É a Luz que de mim levaram.

4

Sem a Luz, o Caminho é obscuro.
Agarro-me às sendas do passado.
Ó Deus, se Deus existe no futuro?
Leva-me para viver a teu lado.

Eis como em poesia se escreve que o Caminho para a Luz passa pelo nosso próprio interior!

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra” em 18 janeiro 2007

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish