Vigésimo sétimo V:.M:. – Paulo M.

Com a eleição de Paulo M. – um dos que escrevem neste blogue -, a Loja continuou a trilhar o caminho da transição de gerações, que então pensava ser o maior problema que tinha de enfrentar. Com efeito, Paulo M. entrara na Loja já depois do início deste blogue, de que. mais tarde, viria a ser um dos animadores. Ter na direção da Loja “um dos novos” afigurava-se ser a receita certa para prosseguir e concretizar a transição de gerações.

A realidade, porém, no mandato de Paulo M. e no do seu sucessor, veio a revelar-se mais complexa. Foi no mandato de Paulo M. que se começaram a tornar evidentes sinais de crise. O que a Loja fazia, a forma como a Loja atuava, estava já desfasada do sentimento da maioria dos elementos que a constituíam. Até então, os desequilíbrios eram apenas pressentidos. No mandato de Paulo M. tornaram-se visíveis.

Paulo M. era e é um homem meticuloso, pormenorizado, que, detetando um problema, analisa-o em profundidade e estabelece uma via para a sua superação. No caso, Paulo M. tinha como problema mais evidente a questão das quotas por pagar por parte de um significativo número de obreiros da Loja. As contas da Loja ressentiam-se deste facto. Havia que resolver esse problema com alguma urgência, sob pena de, a curto prazo, a Loja ficar sem fundos para pagar as capitações à Grande Loja e assegurar o seu normal funcionamento.

Paulo M. identificou várias diferentes situações que contribuíam para a existência do problema. Este começara na altura da crise económica e da intervenção da troika no país. Alguns obreiros da Loja foram atingidos pelo desemprego. Outros viram significativamente reduzidos os seus rendimentos. Houve vários obreiros que emigraram e outros que se viram na necessidade de ir viver e trabalhar para localidades distantes de Lisboa. À crise e suas repercussões nas finanças da Loja, esta começara por reagir absorvendo os encargos decorrentes de atrasos e omissões no pagamento das quotas por parte de uma parcela significativa dos seus elementos. Contudo, a crise económica no país começava a ser superada, as coisas iam melhorando para muitos dos elementos que tinham sido afetados – mas a rotina do atempado pagamento de quotas não recuperara em igual nível.

Da análise que fez, Paulo M. concluiu que havia quem continuava a não pagar atempadamente porque não podia ainda, mas havia também quem já podia pagar e não o fazia porque perdera o hábito e negligenciava a sua saudável retoma. Havia quem, podendo já pagar de novo a sua quotização mensal, não o estava a fazer porque o peso do atrasado o inibia de tudo regularizar de uma vez, mas também quem não retomava o pagamento porque o parceiro do lado ainda o não fizera e “não havia filhos e enteados”. Havia quem, embora tendo quotas em atraso, comparecia assiduamente e participava com regularidade nos trabalhos e nas decisões e nos projetos e havia quem não estava a pagar, mas também não comparecia.

Feita a análise, gizou um plano para resolver ou, pelo menos, minimizar o problema, afinal esquematizando com bom senso as várias e diferentes opções possíveis em face das diferentes situações. Em síntese, quem podia pagar devia pagar; quem podia recomeçar a pagar mas não podia regularizar de uma só vez ou em breve tempo a dívida acumulada, recomeçava a pagar e estabelecia um plano de pagamentos escalonado no tempo para ir resolvendo o atrasado; quem não estava ainda em condições de poder retomar o pagamento e estava com atraso significativo no pagamento das suas quotas, das duas, uma: ou comparecia regularmente nas sessões ou também primava pela ausência – se comparecia, mantinha a ligação ao grupo e devia beneficiar do apoio do grupo; se não comparecia, então estava a quebrar a sua ligação ao grupo e não fazia sentido que o grupo pagasse para manter no seu seio um elemento que não comparecia e nesse caso, aplicava-se o que estava regulamentarmente previsto: notificava-se o visado para se colocar em dia com as quotas ou para apresentar plano para o fazer e para voltar a comparecer, sob pena de exclusão da Loja – e aplicava-se a exclusão a quem não correspondesse satisfatoriamente.

Paulo M. explicou cuidadosamente em Loja os vários aspetos do que decidira e as razões que suportavam as suas opções. A Loja não se mostrou desfavorável, na essência, às opções expostas, uma vez incorporadas algumas pequenas alterações. Em poucas semanas foi encaminhada a maioria dos casos, restando um pequeno número de elementos – uns três ou quatro – que não tinham ainda, nem se sabia quando teriam, condições para pagar, mas continuavam diligentemente assíduos. não querendo deixar a sua tarefa incompleta, Paulo M. socorreu-se de uma prerrogativa que o Regulamento da Loja lhe conferia: a de poder dispensar um obreiro do pagamento de quotas, pagando-as a Loja com a verba destinada à beneficência. Deste modo, dispensou de quotas os obreiros em causa pelo período que tinham em falta, obteve destes a promessa de que reporiam o montante dispensado de pagamento se e quando lhes fosse possível e deixou a evolução futura para análise atualizada em relação à evolução das circunstâncias para os seus sucessores.

Algo de inaudito, porém, sucedeu. Alguns elementos da Loja, incluindo dois obreiros que integravam o seu Quadro de Oficiais, manifestaram-se contrários ao que Paulo M. decidira. Paulo M., pacientemente, voltou a explicar pormenorizadamente a sua decisão e as razões dela e colocou a questão em debate e em decisão pela Loja. A Loja ratificou a decisão do seu Venerável Mestre. Mas alguns elementos continuaram a discordar e a remar contra a concretização das decisões do Venerável Mestre.

Paulo M. tinha então duas opções a tomar: ou seguia a via disciplinar e abria processos contra os que diretamente violavam os respetivos compromissos de não contrariar as decisões do Venerável Mestre (ainda por cima ratificadas em Loja) ou, compreendendo que havia estados emocionais e amizades no fundo de algumas das objeções formuladas, preferia evitar o corte a direito e geria a situação de forma a que, paulatinamente, a questão se fosse resolvendo. Tomou – acertadamente, a meu ver – a segunda opção e, paciente e meticulosamente repetiu as vezes que foram necessárias as razões da sua decisão, promoveu a sua execução e tentou sempre minimizar o problema.

Ficou, no entanto, evidente que algo mudara na Loja. Pela primeira vez, desde a sua fundação, um grupo de obreiro da Loja desafiou diretamente a autoridade do Venerável Mestre e persistiu na sua postura mesmo depois de ver ratificada a decisão do Venerável Mestre pela Loja, entendendo ser seu direito democrático exprimir as suas posições e lutar por elas enquanto entendesse útil ou necessário fazê-lo. Esta posição motivou, por outro lado, reação dos que não viam com bons olhos o direto desafio ao Venerável Mestre. Estava gerado o turbilhão que iria envolver a Loja no resto do mandato de Paulo M. e grande parte do mandato do seu sucessor, tornando evidente crise da Loja que não seria ultrapassada sem significativo prejuízo.

Por outro lado, Paulo M. ficou muito ferido pelas atitudes de alguns dos obreiros da Loja. Ainda hoje as cicatrizes se notam…

O mandato de Paulo M. foi, assim, atribulado. Mas – sejamos justos! – não por sua culpa. Paulo M. fez o que devia fazer quando o devia fazer e renunciou a fazer algo que podia fazer, em prol da Loja. A meu ver, esteve na direção da Loja em má altura e apanhou em cheio com uma crise que se desenhava, com uma onda que se vinha insensivelmente formando bem lá de trás e de que só nos apercebemos quando apanhámos com ela em cheio. A clivagem não era, afinal, entre velhos e novos. A clivagem tinha a ver com diferentes conceções de estar e decidir em Loja, diversos entendimentos do que era, como se processava e se vivia a integração do indivíduo no coletivo de uma Loja maçónica. Superar essa clivagem iria ter custos, levar tempo e paciência e implicar o recurso à amizade. Mas, afinal, esse era um processo de evolução natural que tínhamos de vivenciar. Um coletivo nasce, cresce, amadurece e reinventa-se ou morre. Era tempo de nos reinventarmos.

Paulo M., apanhado pela crise, viria a ser um dos elementos que contribuíram para a reinvenção da Loja. Que está para lavar e durar, todos o esperamos, por muitos e bons anos, enfrentando e superando todas as crises que periodicamente surjam e suscitem as mudanças que necessário for. Com a preciosa colaboração do Paulo M., que foi o homem certo no conduzir do barco quando a tempestade começou a levantar ventos fortes. É mais um elemento que contribui para a individualidade específica da Loja Mestre Affonso Domingues. E mais um elemento que ajudará, no futuro, a enfrentar as crisezinhas que vierem. Porque soube enfrentar com acerto e bom senso a crise que lhe coube em sorte. E todos lhe estamos gratos por isso – mesmo os que, na altura, a ele se opuseram! Porque águas passadas não movem moinhos e este moinho da Mestre Affonso Domingues ainda tem muito cereal para moer – e vai fazê-lo, sempre em conjunto!

Rui Bandeira

Publicado no Blog “A partir pedra” em 5 de Novembro de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish