Quinto V:.M:. – Manuel A. G.

O quinto Venerável Mestre, que exerceu funções de Setembro de 1994 a Setembro de 1995, foi Manuel A. G..

Manuel A. G., um homem corpulento e bonacheirão, era amigo pessoal do Grão-Mestre Fernando Teixeira, com quem partilhava o gosto, os conhecimentos e a paixão pela tauromaquia.

Sob a sua liderança, a Loja manteve-se sempre muito

próxima do Grão-Mestre, o qual, por sua vez, nomeou vários dos obreiros da Loja para o exercício de funções de Grande Oficial, isto é, funções na Grande Loja. Por um lado, isso era agradável, porque correspondia à manutenção da confiança do Grão-Mestre fundador na Loja e nos seus obreiros. Por outro lado, isso era penalizador para a Loja, que não raras vezes se via privada da presença e do contributo de vários e influentes obreiros, ocupados no exercício dos deveres dos seus ofícios na Grande Loja. Por outro lado, tinha começado a implantação dos Altos Graus na Maçonaria Regular portuguesa, com os Altos Graus dos Rito Escocês Rectificado e do Rito Escocês Antigo e Aceite à cabeça, e muitos dos obreiros da Loja acumulavam com a frequência de sessões de Altos Graus e o exercício de ofícios nos Altos Graus, por vezes com simultaneidade de reuniões entre estes e a Loja Azul (a Loja trabalhando nos três graus basilares da Maçonaria, Aprendiz, Companheiro e Mestre).

Por força destas circunstâncias, a Loja continuou a trabalhar com Quadros de Oficiais muito variáveis. Existia o Quadro de Oficiais efectivo, digamos assim. Mas raramente a Loja trabalhou com a presença de todos os oficiais efectivos. Para cada ofício existia o titular efectivo da função e, informal e naturalmente, perfilavam-se um ou mais suplentes que asseguravam o exercício da função na falta do titular. Assim a Loja se habituou a colmatar as faltas de seus membros, impedidos em outras actividades maçónicas. Assim se reforçou a característica da Loja de todos os seus membros estarem aptos a exercer bem mais do que um ofício em Loja e de conseguir trabalhar com segurança e qualidade independentemente da composição efectiva do quadro de oficiais em cada momento. O que, em termos de prática ritual, trouxe a mais-valia da garantia de uma qualidade média do trabalho, independentemente de quem esteja presente e de como estejam distribuídos os obreiros pelos ofícios, mais-valia que, felizmente, se foi mantendo ao longo do tempo.

Manuel A. G. apreciava que os trabalhos decorressem de forma imponente e serena. Com ele, cada sessão de Loja era um exercício de execução tão perfeita quanto possível do ritual, entendendo-se como parte desse esforço a execução, em toda a pompa e circunstância, de cada gesto, de cada passo, de cada fala. Com Manuel A. G., a Loja habituou-se de novo a executar o ritual, não apenas bem, mas com brilho. Cada pormenor era corrigido, cada detalhe era aperfeiçoado.

Assim, em termos de execução do ritual, a Loja retomou a qualidade que se habituou a considerar sua, com as vantagens do aumento do número de obreiros capazes de a manter e da capacidade de execução de múltiplos ofícios por cada obreiro. A preocupação e o gosto de Manuel A. G. pela boa execução do ritual criou em todos o hábito e a necessidade da qualidade. Isso continua a Loja a dever a Manuel A.G..

No seu sereno e calmo mandato, apenas uma pequena nuvem se apresentava no horizonte: retomada e aperfeiçoada a qualidade de execução do ritual, os mais dinâmicos interrogavam-se sobre o que fazer com

a Loja. Tínhamos um grupo que aprendera a ser coeso, que nutria o gosto pela qualidade do trabalho ritual, que paulatinamente aprendia Maçonaria. O que fazer com ele? Apenas executar com qualidade o ritual já sabia a pouco. Mas fazer o quê? Utilizar o potencial da Loja em quê?

Uma coisa se tinha como certa. Fosse o que fosse, não seria por voluntarismo que se encontraria. Utilizar de forma útil o potencial da Loja e dos seus obreiros só fazia sentido e só seria efectiva e persistentemente possível se fosse consensual. Esta busca de conteúdo, de valia, de contribuição prática da Loja em algo que consensualmente se tivesse como possível e que se entendesse valer a pena foi tema recorrente nas conversas entre os seus obreiros, naquela época. Muitos projectos foram falados, muitos foram reconhecidos de megalómanos ou não reuniram o consenso. A pouco e pouco, foi-se entendendo que a solução não era a busca de grandes coisas, de projectos de encher o olho e a alma. Como sempre, foi nos princípios da Maçonaria Regular que fomos buscar as bases para a resposta aos nossos anseios. No caso, que a Maçonaria Regular não se destina a intervir, ela própria, enquanto tal, na Sociedade, mas cada obreiro, por virtude do seu aperfeiçoamento pessoal deve ele próprio contribuir, na medida do que possa, para a melhoria da Sociedade. A resposta não estava, pois, em ambiciosos projectos, em grandes organizações, em eventos de estalo. A resposta

estava em nós mesmos e no que nós pudéssemos dar e fazer.

Foi assim que nasceu o primeiro projecto colectivo da Loja Mestre Affonso Domingues. Um projecto modesto, mas à medida das possibilidades dos seus obreiros. Um projecto discreto, mas que ajudava a suprir uma necessidade social. Um projecto através do qual cada um, na medida em que podia fazê-lo, dava o que de mais precioso uma pessoa pode dar: um pouco de si próprio.

Assim começou o que pomposamente gostamos de chamar Grupo de Dadores de Sangue Mestre Affonso Domingues, um grupo sem sede, sem direcção, sem contas nem património, sem organização, um pouco como a a casa da canção infantil (“era uma casa muito engraçada, não tinha tecto, nem tinha nada…”). Mas se nada disso teve, nem tem, teve, tem e desejamos que continue a ter o que verdadeiramente importa: a disponibilidade para ajudar, para obter e efectuar doações de sangue, para contribuir para que ninguém fique sem o necessário tratamento ou recuperação da sua saúde por falta desta essencial seiva da vida. Quem pode dar sangue, dá; quem não pode, ajuda de outra forma qualquer, na organização da acção, na sua divulgação, na simples companhia aos que dão. Sendo a Loja constituída por algumas dezenas de obreiros e com uma não negligenciável quota de elementos cuja idade ou condições de saúde não lhes permitem que dêem sangue, não esperamos que, de cada vez, se recolha uma grande quantidade de sangue. Mas, ao longo dos anos, a quantidade de sangue recolhida já é significativa. e, a pouco e pouco, vamos conseguindo o auxílio de terceiros, que amigos, conhecidos e mesmo desconhecidos também ajudem e também dêem sangue. E lá vamos ajudando…

Manuel A.G. contribuiu também para este projecto. Como os demais Veneráveis Mestres da Loja deixou também nela a sua marca. E nós não o esquecemos.

Como amigo pessoal de Fernando Teixeira que era, naturalmente que, na altura da cisão, o acompanhou. Mas continua a ser um amigo e, pelo menos no nosso convívio anual de Dezembro, procuramos, com todo o gosto, tê-lo connosco e ficamos especialmente satisfeitos quando os seus afazeres lhe permitem estar connosco. Também a ele se aplica a nossa máxima de que uma vez um dos nossos, sempre um de nós.

In Blog “A Partir Pedra” – Texto de Rui Bandeira (04.07.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish