Décimo quinto V:. M:. – Miguel R.

Miguel R. foi 1.º Vigilante do Quadro de Oficiais de Alberto R. S. e, como é usual na Loja Mestre Affonso Domingues, sucedeu-lhe na Cadeira de Salomão, em Setembro de 2004, após ter visto, em Julho anterior, confirmado o costume da Loja, através da indispensável eleição.

Miguel R. fora o responsável técnico pela criação e colocação em Rede da página na Internet da Loja Mestre Affonso Domingues e manteve-se responsável pela sua manutenção até muito recentemente. No ano em que exerceu o ofício de Venerável Mestre, poder-se-ia cognominá-lo de “Triplo Mestre”, pois que, então, acumulou o seu grau de Mestre com a qualidade de Venerável Mestre da Loja e com o encargo de Webmaster (Mestre da Rede) do sítio da Loja…

Miguel R., um homem simpático e tímido, chegou ainda bastante jovem à direcção dos destinos da Loja. Jovem em idade e jovem em antiguidade. A sua indefectível assiduidade, o seu interesse, o seu equilíbrio, fizeram com que, mal tivesse sido elevado ao grau de Mestre, lhe tivessem sido atribuídas funções de responsabilidade e tivesse sido logo integrado na “linha de sucessão”.

Exerceu o ofício na altura certa, beneficiando de uma conjuntura de águas mansas, que se coadunava bem com o seu perfil calmo e discreto, com o seu temperamento cordato, com a sua timidez, aresta da sua pedra que o tempo e a experiência o ajudarão a polir.

Miguel R., bom conhecer do estado administrativo da Loja, geriu-a com competência e suavidade. Foi especialmente criterioso na gestão dos tempos e momentos de progressão de Aprendizes e Companheiros e nas iniciações. Como resultado desse seu cuidado, passou ao seu sucessor uma Loja quase que milimetricamente equilibrada, com um número de Aprendizes, nem excessivo, nem pecando por defeito, com tempos de evolução diferentes, e – o que, até agora, é raro na Loja Mestre Affonso Domingues, que, no meu entender, tem como seu ponto menos forte a formação dos Companheiros (uma vez que o problema está identificado, vai seguramente ser resolvido…) – uma coluna de Companheiros bem guarnecida e composta por elementos de boa qualidade. Miguel R., muito bem, na minha opinião, resistiu à tentação, recorrente na Loja, de considerar o grau de Companheiro um mero ponto de passagem para o acesso à Mestria e preocupou-se com os Companheiros, a sua formação e o seu tempo de evolução, com isso logrando que o seu sucessor recebesse jovens Mestres especialmente aptos e tivesse, ainda, na coluna de Companheiros, gente de muita qualidade em condições de serem elevados a curto prazo.

Se bem ajuízo, esta sua capacidade de bem gerir a formação e os tempos de formação resultaram da seu próprio processo de crescimento maçónico. Miguel R., a meu ver, foi muito influenciado pelas concepções de Luís P., que assegurou a direcção da formação dos Aprendizes e, depois, dos Companheiros, em períodos que abrangeram os tempos da formação do próprio Miguel R.. Na minha opinião, Miguel R. foi o melhor produto dessa escola…

Foi-o porque, com o seu sentido de equilíbrio, sabiamente aproveitou o espírito de aperfeiçoamento que Luís P. indubitavelmente sabia transmitir, o rigor que ele imprimia, sem, no entanto, cair em excessos místicos e crísticos.

Miguel R. tem uma visão pessoal da Maçonaria muito equilibrada, assente na fraternidade e no esforço individual, no espírito de grupo e na profundidade do juízo pessoal, no trabalho eficaz e na meditação necessária. Soube sempre levar a água ao moinho da Loja com calma, persistência e discrição.

Quer pelas suas características pessoais, quer pela influência recebida na sua formação, quer pelo exemplo do seu antecessor, Miguel R. foi sempre extremamente cuidadoso em reservar pequenos espaços em todas as reuniões para apresentar, ele próprio, pequenas pranchas traçadas de Mestre, fragmentos de sabedoria que deixava à disposição dos obreiros da Loja, com a naturalidade das coisas simples.

Não sei como reagiria Miguel R. se tivesse tido que enfrentar tempos de maior turbulência. Provavelmente, enfrentá-los-ia bem, como outros, antes dele, fizeram. Mas Miguel R. aproveitou bem o período bonançoso de que dispôs para fazer bem o seu papel: organizou, formou, actuou. E, com ele, assim também fez a Loja

Na cadeia de União dos Veneráveis Mestres da Loja Mestre Affonso Domingues, Miguel R. não terá sido, porventura, o seu elo mais vistoso; mas não foi, de certeza absoluta, dos seus elos menos fortes.

Do trabalho discreto que Miguel R. realizou, os frutos ver-se-ão a longo prazo. Os quadros que ele ajudou a formar estão aí, prontos para o que preciso for. Durante muitos anos a Loja beneficiará do trabalho de Miguel R. e do trabalho daqueles que Miguel R. ajudou a saberem trabalhar.

Na minha definição de êxito, o mandato de Miguel R. encaixa perfeitamente. E fico muito contente por poder aqui deixar esse reconhecimento.

In Blog “A Partir Pedra” – Texto de Rui Bandeira (06.11.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish