Décimo quarto V:.M:. – Alberto R. S.

O décimo quarto Venerável Mestre, que exerceu o ofício entre Setembro de 2003 e igual mês de 2004, foi Alberto R. S..

Fisicamente um homem meão, de aspecto maciço, de temperamento bem disposto e prazenteiro, Alberto R. S. exerceu o mandato com um notável equilíbrio entre acção e especulação, entre formação e execução.

Fora já um excelente Orador da Loja, tendo marcado esse ofício com um estilo directo e atento que, na minha opinião, se aproxima muito do paradigma correcto do exercício da função. Aliás, se não erro, foi ele o primeiro a estender a “linha de sucessão” informal da Loja Mestre Affonso Domingues até ao ofício de Orador, ascendendo a partir daí, sucessivamente a 2.º e 1.º Vigilante e Venerável Mestre. Nesse sentido, esta normal progressão numa informal “linha de sucessão” foi já o resultado da entrada da Loja no seu período adulto, calmo e cada vez mais bem organizado, permitindo o alargar da dita “linha de sucessão a mais dois ofícios e, muito recentemente, a sua reformulação, sempre em harmonia, calma e entendimento. Alberto R. S., além do ofício de Orador exercera já, como elemento efectivo do Quadro de Oficiais diversas outras funções. Recordo-me, designadamente, que fora o Tesoureiro do Quadro de Oficiais que eu escolhi, quando foi a minha vez de dirigir a Loja e que exercera, também com indiscutíveis qualidade, segurança e brilho, o ofício de Mestre de Cerimónias.

Alberto R. S. chegou, pois, à Cadeira de Salomão com uma variada, constante e profícua experiência. Estava tão bem preparado quanto um maçon pode estar para exercer o ofício de dirigir a Loja. Confiar-lhe o ofício não constituiu qualquer risco ou aposta, antes foi, claramente, um acto de serena e normal naturalidade. E Alberto R. S. em nada iludiu as expectativas!

Tal como anteriormente fora timbre, designadamente, de Jean-Pierre G., com Alberto R. S. muito cedo ficou claro que conhaque é conhaque, trabalho é trabalho. Até ao segundo anterior ao início da sessão, tínhamos entre nós um companheiro bem disposto, bonacheirão, amigo de contar umas larachas e apreciar umas piadas, contribuindo enormemente para a boa disposição geral. No exacto momento em que iniciava a sessão, passávamos a ter perante nós um Venerável Mestre atento, sério, esforçado e rigoroso. A hora era de trabalho – trabalhava-se: discutia-se, sugeria-se, decidia-se; pedia contas de encargos anteriormente confiados, verificava o andamento de todos os projectos em curso, corrigia o que havia a corrigir, assumia o que entendia dever assumir. No segundo imediatamente a seguir à sua saída da sala onde decorrera a reunião, tínhamos de volta o companheiro bem disposto e folgazão…

Não admira, portanto, que Alberto R. S. tenha gerido a Loja com tão bons resultados como os que obteve. No seu tempo a Loja cresceu, melhorou a sua organização, assegurou o êxito de todos os projectos. Sem grandes dificuldades nem exigências, aumentou a eficácia da acção do grupo. O mandato de Alberto R. S. foi um exemplo de sã e proveitosa gestão de um grupo de gente empenhada e unida.

Em todas as reuniões ocorridas no seu Veneralato, Alberto R. S. deixava aos obreiros uma pequena prancha traçada de sua autoria ou por si recolhida. Uma pequena alegoria, uma citação oportuna, uma análise de qualquer aspecto, um conselho, uma poesia, ou um qualquer outro texto para meditação foram sempre apresentados para lição dos obreiros. Como Venerável Mestre, Alberto R. S. nunca descurou a formação, o aperfeiçoamento, dos seus obreiros, nunca deixando de lhes lançar as sementes destinadas a germinar nos seus espíritos.

Alberto R. S. deixou ainda a sua marca na modernidade da Loja, dando execução a algo de que vínhamos falando, mas que ainda não fora concretizado: a página na Internet da Loja Mestre Affonso Domingues. Solicitou e obteve, para isso, a colaboração, que se revelou profícua e valiosa, do seu 1.º Vigilante, que concebeu e realizou, na parte técnica, o sítio. Mas, ainda hoje, grande parte dos textos que se encontram no sítio da Loja são da autoria material de Alberto R. S..

O décimo quarto Venerável Mestre cumpriu brilhantemente a sua função e, sem dúvida alguma, entregou ao seu sucessor uma Loja um pouco melhor do que a que recebera do seu antecessor.

in Blog “A Partir Pedra” – Texto de Rui Bandeira (24.10.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish