Décimo terceiro V:.M:. – António P.

António P. foi o décimo terceiro Venerável Mestre da loja Mestre Affonso Domingues. Exerceu o ofício de Setembro de 2002 a Setembro de 2003.

António P., um homem corpulento e afável, não tem o dom da palavra. Como muito boa gente, não consegue transmitir devidamente o seu pensamento quando fala em público. Ainda houve quem desmerecesse dele por isso. No entanto, ninguém ligou a quem tentou formular reservas a António P. por causa disso. António P. podia não ser o melhor dos oradores, mas sempre foi e é um excelente conversador, daqueles que transmite o seu pensamento e as suas emoções tanto pela palavra como pela postura, pelo gesto, pelo sorriso. Talvez seja por isso mesmo, por o seu registo de comunicação ser mais intimista, com uma afabilidade muito própria, que António P. não é bom orador. Decididamente, não foi talhado para “falar às massas”, antes para conversar com os amigos.

António P. fora já oficial do meu Quadro, quando foi a minha vez de ocupar a Cadeira de Salomão. Então, escolhera-o para Editor, um ofício até então inexistente e que não voltou a haver, até agora. A sua função era a de preparar a publicação dos trabalhos produzidos pelos obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues. Na ocasião, António P. começou pelo princípio, isto é, por começar a localizar e reunir os trabalhos, tarefa que não teve oportunidade de terminar.

Entretanto, nos anos seguintes foi chamado ao exercício de outros ofícios em Loja. Foi 2.º Vigilante do Quadro de Oficiais do mandato de João D. P. e 1.º Vigilante no Veneralato de José M..

Quando chegou a sua vez de ocupar a Cadeira de Salomão, a Loja vivia já o período de estabilidade confortável em que, felizmente, ainda permanece. Nenhuns problemas especiais existiam e nenhuns problemas foram criados. António P. prosseguiu tranquilamente a gestão dos destinos da Loja. Sob a sua batuta, esta prosseguiu os seus normais trabalhos.

Mas António P. não se limitou a assegurar a rotina. No exercício do seu mandato, retomou aquilo que não lhe fora possível concluir, anos antes. Prosseguiu, então, a tarefa de recolha dos trabalhos dos obreiros da loja Mestre Affonso Domingues e concluiu essa tarefa, até ao tempo do seu mandato, recolhendo tudo o que era possível recolher.

Mas entretanto as coisas evoluíram. Neste início de século XXI, três anos são uma eternidade, mil e um dias e noites mudam muita coisa. O que, em 1999/2000 se projectava editar tradicionalmente, um livro, uma brochura, em 2002/2003 já integrava um paradigma que não era já o único. A entrada acelerada nas Novas Tecnologias aconselhavam a ter tudo preparado para as diferentes hipóteses de publicação. O livro não é já a única hipótese. Publicar um conjunto de textos já não implica necessariamente o suporte em papel. Também não o exclui… Mas um conjunto de textos pode agora ser publicado e estar disponível através da Rede Mundial de Computadores, a Internet.

Portanto, António P. não se limitou a reunir os trabalhos. Passou-os a todos para suporte digital. Graças a ele, muitos trabalhos, quase todos, elaborados ao longo dos anos pelos obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues, estão disponíveis em suporte informático, aptos para serem publicados, quer digitalmente, quer em suporte de papel.

Este trabalho precioso certamente vai facilitar grandemente a tarefa do actual Arquivista e do actual responsável pelo sítio na Rede da Loja Mestre Afonso Domingues, bem como aos que lhes sucederem nas funções.

Como e quando (e se…) será publicado o que os obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues produziram é assunto que ainda está a ser ponderado. Mas uma coisa temos já certa. Os trabalhos estão preservados e digitalizados. Os muitos golpes de malhete e cinzel efectuados pelos obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues no desbastar das suas pedras brutas estão registados e guardados. Para que quem nos siga possa, se quiser, consultá-los, lê-los, aprender com eles, criticá-los, discordar ou concordar, ou, simplesmente, satisfazer a sua curiosidade. E como é interessante rememorar trabalhos feitos anos atrás por jovens aprendizes que hoje são Mestres experientes e até já ex-Veneráveis…

Essa possibilidade temo-la hoje e tê-la-ão os que virão depois de nós, em muito graças ao trabalho do António P., um maçon que não foi nem é um bom orador, mas mostrou ser um excelente trabalhador e um Venerável Mestre que deixou obra feita.

in Blog “A Partir Pedra” – Texto de Rui Bandeira (18.10.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish