Décimo primeiro V:.M:. – João D. P.

Um ano depois do que o deveria ter sido, João D. P. foi eleito Venerável Mestre da Loja Mestre Affonso Domingues. Foi o seu undécimo Venerável Mestre, exercendo a função de Setembro de 2000 a Setembro de 2001.

No ano anterior, cumprira o segundo ano consecutivo na função de 1.º Vigilante, o oficial da Loja que tem a seu cargo o acompanhamento e a formação dos Companheiros, além de, juntamente com o 2.º Vigilante, auxiliar o Venerável Mestre na administração da Loja. Exerceu essas funções com competência, destreza e grande lealdade. Foi uma ajuda sempre disponível, uma colaboração sempre de confiança. Assegurou, por delegação minha, quase todo o trabalho de ligação com a Grande Loja, inclusivamente a representação da Loja em três das quatro sessões anuais da Grande Loja. E só não assegurou essa representação na quarta, porque entendi dever eu assumi-la pessoalmente, porquanto ali se iam discutir assuntos do foro da minha especialidade profissional. A opção de delegar essa representação no João D. P. foi por mim tomada, por um lado, em resultado da minha pouca disponibilidade de tempo para actuar ao nível de Grande Loja e, por outro, pela vantagem que eu implicitamente via na existência de uma certa visibilidade da mesma pessoa a esse nível durante um período de tempo alargado.

O mandato de João D. P. como Venerável Mestre da Loja constituiu como que uma bissectriz dos dois mandatos anteriores. Prosseguiu a política de debate interno das questões de interesse para a Loja, embora talvez com menos enfoque do que aquele que eu imprimira. Também porque a necessidade de reabituar a Loja ao debate diminuíra. Deu mais atenção aos aspectos de formação e de análise simbólica do que aquela que eu lhes dera, sem, contudo, se centrar nesses aspectos com a quase exclusividade por que optara Luís P..

Ou seja, com João D. P. a Loja, recentrada no seu rumo, prosseguiu o seu caminho de forma equilibrada em todas as suas vertentes. A produção de pranchas por Aprendizes e Companheiros – essencial para que estes possam progredir até ao 3.º grau – prosseguiu nos níveis habituais, com o cuidado acompanhamento dos Vigilantes. Mas João D. P. insistiu particularmente no retomar de algo que as circunstâncias tinham feito rarear nos últimos tempos: a produção e apresentação de Pranchas Traçadas pelos Mestres da Loja. Começou por dar ele o exemplo. E foi paulatinamente insistindo na necessidade de os demais Mestres também o fazerem. Como sempre nestas coisas, demorou algum tempo e os frutos apareceram já depois do mandato de João D. P. Mas as sementes foram por ele lançadas. Hoje, em todos os anos maçónicos o Venerável Mestre tem de reservar parte de algumas reuniões para a apresentação de pranchas traçadas por Mestres. E o gosto do debate continuou a ser tão acarinhado na Loja que, apesar de toda a gente repetir que “prancha de Mestre não se comenta”… todos as comentam! Talvez com menos severidade e espírito de crítica do que se comentam as pranchas de Aprendiz (em especial) e as de Companheiro, mas há que compreender que também na Maçonaria “a antiguidade é um posto” e se respeitam os mais antigos… Além de que “praxar” os mais novos com ferozes críticas às suas pranchas, como é tradição na Loja Mestre Affonso Domingues, é uma saudável forma de incutir o gosto pela melhoria, pela competência, pela busca da melhor perfeição possível. Mas as críticas são também sempre matizadas pelos justos elogios, pois o trabalho sério deve sempre ser reconhecido…

As actividades viradas para a ajuda permaneceram e foram reforçadas. No mandato do João D. P. começou a estabelecer-se o princípio de que deveria haver mais do que uma doação de sangue por ano.

A actividade da Loja na Grande Loja foi objecto de atenção particular e a influência da Loja e dos seus obreiros no governo da Obediência, sempre em leal colaboração com o Grão-Mestre, foi reforçada pelo trabalho efectuado.

Em suma, com João D. P. a Loja atingiu a sua maturidade. A forma como trabalha não sofreu grandes alterações desde então – nem precisa! Equilibrada a Loja no seu interior, começou esta a voltar-se para o exterior, nas suas duas vertentes: na Obediência e perante a Sociedade.

Foi essa estabilidade interna, a fixação do modelo de funcionamento interno da Loja que, a meu ver, constituiu o legado do mandato do João D. P.. Daí para a frente, só foram efectuados pequenos e pontuais ajustamentos no modelo de funcionamento interno. Os Veneráveis Mestres a partir daí puderam dirigir as suas atenções para outros aspectos.

in Blog “A Partir Pedra” – Texto de Rui Bandeira (02.10.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish