Inquirição, Desafio de Liberdade

A Maçonaria é, por definição, um conjunto de homens “livres e de bons costumes”, que se consideram como tal e se reconhecem como tal, perseguindo os ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade.

São conceitos que serviram uma revolução em 1789 em França, mas que são tão antigos quanto o próprio homem. Nem sempre cumpridos… raramente cumpridos… mas existentes!

A condição de Maçon diz que somos “livres e de bons costumes”, ou que nos reconhecemos conjuntamente como Homens “livres e de bons costumes”. Deixo os “bons costumes” de lado, por agora, e foco-me em “ser livre”, e pode-se ser livre dentro das grades de uma prisão e sentir-se acorrentado no cimo de uma montanha com o horizonte por limite.

O “infinito” é um conceito teórico que os matemáticos arranjaram para trabalharem com o Universo que, sendo material, não tem “folha de cálculo” ou “plano de contas” que o suporte. Sem princípio nem fim.

E é por aqui que entendo a liberdade dos Maçons.

Ser livre é a capacidade de olhar e ver o Universo de uma só olhada, é abarcar a globalidade universal de uma só vez, é construir a folha de cálculo onde cabe o Universo.

Isso é ser livre!

O Universo não é vermelho ou verde, não é claro ou escuro, não é aqui ou ali.

O Universo é o vermelho e o verde, é o claro e o escuro, é o aqui e o ali.

Ser livre é poder ver numa visão única o vermelho e o verde, o fogo e a água, Israel e a Palestina.

Ser livre é poder olhar e sentir todas as cores, todas as “sem fronteiras”, o Sol e a Lua.

É isso que é ser livre e é isso que deve ser um Maçon. Somos Maçons porque somos livres… porque nos reconhecemos uns aos outros como Homens livres. E por isso, e se não houver mais razões, só por isso, temos de ter… somos obrigados a ter no mesmo olhar todas as cores, todas as fronteiras (todas as sem fronteiras prefiro eu). Porque o Universo não tem fronteiras, não tem princípio nem fim, não tem muros nem limites. Tal qual a Maçonaria!

A Liberdade é um desafio. E pode não ser simples. Sejamos livres. Sejamos livres sempre. Aqui e lá fora. Em Loja e no Mundo. Sejamos livres quando em Loja cumprimos os rituais. Sejamos livres quando na nossa profissão damos duro. Sejamos livres quando vivemos a nossa vida, sós, ou acompanhados. Sejamos livres quando executamos as nossas tarefas, os nossos encargos, mesmo que pouco agradáveis.

E sejamos livres, completamente livres, quando incumbidos da tarefa de apreciar um candidato a Maçon. A Inquirição, é assim que se chama, só tem que saber se “Aquele” é também um Homem livre, ou se é capaz de o vir a ser. Só isso interessa. Se usa mais o vermelho ou o verde… se fala mais árabe ou hebraico… se vota mais azul ou laranja… mas o que é que isso interessa se ele for capaz de com um olhar apenas abarcar o vermelho e o verde, o azul e o laranja, Israel e a Palestina, o Arco-Iris inteiro, o Universo todo?

Para que queremos nós saber se é coxo ou marreco se de facto for um Homem Livre?

Se os candidatos são coxos ou marrecos, altos ou magros, pretos ou brancos… isso interessa para quê? e a quem?

Há uns anos, na R:.L:.M:.Affonso Domingues, discorremos sobre o tema e acabamos concluindo que a Inquirição serve para perceber se “Aquele” com quem estamos a conversar pode ser convidado, de bom grado, para nossa casa. É essa a conclusão que há a tirar e é a conclusão que o Maçon inquiridor tem a passar, em relatório, aos Irmãos na Loja. Porque o que estamos a fazer numa Inquirição é exatamente isso, e apenas isso, tentar saber se aquele profano pode ser bem vindo a nossa casa.

Tudo o resto é acessório e muito pouco interessante.

Aos meus Irmãos peço que sejam Livres, de Liberdade plena, capazes de abarcar o Universo todo com um só olhar.

No Universo não há parcelas, nem partidos, nem clubes, nem fronteiras.

Sejam livres ou então… libertem-se.

E se na Inquirição concluírem que não convidam o Candidato para vossa casa só porque é marreco… meus irmãos peçam o atestado de quite porque estão no sítio errado.

Não são nem livres, nem de bons costumes.

JPSetúbal

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish