A “linha de sucessão”

Partilhe este Artigo:

fila

Já em vários textos que publiquei no blogue, o último dos quais o dedicado ao ofício de Experto, fiz ocasionais referências à “linha de sucessão”. Convém explicar em que consiste e como funciona.

A “linha de sucessão”, que eu saiba, não tem apoio formal ou regulamentar em qualquer norma de qualquer jurisdição maçónica. Não está prevista com carácter de obrigatoriedade em nenhum lado. No entanto, em muitas jurisdições maçónicas é observada a prática da “linha de sucessão” no preenchimento dos ofícios, quer de Loja, quer mesmo de Grande Loja. Consiste no estabelecimento informal de um percurso de ofícios que deve ser sucessivamente assegurado por um maçon, como que ascendendo numa hierarquia, até ascender ao ofício de maior responsabilidade numa Loja, o de Venerável Mestre, ou numa Grande Loja, o de Grão-Mestre.

Na GLLP/GLRP, não se verificou, até agora, um claro estabelecimento de uma “linha de sucessão”. O ofício de Grão-Mestre é exercido por quem for eleito para o cargo. Costuma haver mais de uma candidatura sempre que há eleições. Embora se tenha verificado que existe uma natural vantagem de quem exerce o ofício de Vice-Grão-Mestre na disputa pela eleição, ela decorre da visibilidade do cargo exercido, do reconhecimento de que o braço direito do Grão-Mestre conhecerá melhor os projectos em curso e as estratégias para ultrapassar os problemas existentes, não de uma tácita assunção de um “direito” à eleição. Aliás, algumas eleições foram bem disputadas… E nenhum caminho de acesso ao Vice-Grão-Mestrado se acha, ainda que informalmente, estabelecido. Resumindo: embora não seja uma situação que se possa considerar descartada em termos de evolução futura, na GLLP/GLRP não se mostra, ao contrário do que sucede em muitas jurisdições maçónicas – designadamente Grandes Lojas norte-americanas – instituído, ainda que informalmente, um princípio de “linha de sucessão” para o acesso ao ofício de Grão-Mestre. O que é, no meu entender, muito bom e desejável que assim permaneça.

Já a nível de Loja, o meu entendimento é exactamente o oposto: considero muito vantajoso que se estabeleça e respeite uma “linha de sucessão” para o preenchimento dos ofícios mais exigentes da Loja, culminando no de Venerável Mestre. Baseio esta minha opinião nos excelentes resultados que a Loja Mestre Affonso Domingues tem obtido com a opção pelo estabelecimento desta prática, praticamente desde a sua fundação. A origem desta prática descrevi-a no texto A eleição do Terceiro Venerável Mestre. Desde então, foi sempre seguida, aumentada e aperfeiçoada, sempre sem sobressaltos, sempre de forma aberta e clara, sempre consensualmente.

Ao contrário do que sucede a nível de Grande Loja, em que os obreiros se encontram dispersos geograficamente e com limitações de contactos entre si, exceptuados os existentes entre os obreiros da mesma Loja, uma Loja maçónica tem um número limitado de membros, com um estreito contacto entre si, situação potenciadora de um amplo conhecimento das características de cada um, dos seus pontos fortes e fracos. Estabelecem-se fortes relações de amizade. Tudo o que evite disputas é bem-vindo.

A prática da “linha de sucessão” tem, assim, a grande virtualidade de tornar desnecessárias disputas eleitorais e fortalecer significativamente a coesão da Loja.

Tem, é certo, potencialmente, o perigo de formação de uma “clique” que se auto-perpetue no “poder” da Loja. Mas este perigo é muito limitado e facilmente evitado, quer porque o “poder” da Loja é ilusório e só efectivamente existente na medida em que exista consonância entre o Venerável Mestre e a Loja, quer porque, se se instituísse uma “clique” de poder numa Loja, facilmente os que estavam fora desse “círculo” poderiam resolver o problema: basta juntar sete Mestres para peticionar a constituição de uma nova Loja e deixar os sedentos do poder a ficarem a “mandar”… neles próprios… Uma Loja é um meio ao serviço dos seus obreiros. Quem o esquecer e pretender torná-la algo diverso, não demorará muito tempo a perder as suas ilusões! Infelizmente, se e quando a tentação surge, o preço que se paga, dentro de um prazo não muito longo, é o abatimento de colunas da Loja “ocupada” ou, pelo menos, uma grave crise que obrigará, na prática, à sua lenta e esforçada reconstrução.

No caso da Loja Mestre Affonso Domingues, esse perigo nem nunca esteve sequer no horizonte, até porque a “linha de sucessão” natural e consensualmente criada tem uma importante válvula de segurança…

Originalmente, na Loja Mestre Affonso Domingues, a “linha de sucessão” abrangia as três luzes da Loja. Isto é, o 1.º Vigilante substituía o Venerável Mestre e era substituído pelo 2.º Vigilante. Mais tarde – com clareza a partir do mandato do décimo quarto Venerável Mestre -, alargou-se até ao Orador e, muito rapidamente, nos mandatos seguintes, até ao Secretário e ao Tesoureiro.

No mandato do actual Venerável Mestre, este tomou a decisão, aliás na sequência de uma sugestão nesse sentido avançada pelo José Ruah e consensualmente assumida pelos demais obreiros, de substituir, na “linha de sucessão”, o Orador pelo Mestre de Cerimónias.

Assim, presentemente – e, se não houver motivos para mudar, espero que por muito tempo – um obreiro, antes de ser eleito pelos Mestres da Loja para exercer o ofício de Venerável Mestre, exerce, sucessivamente, os ofícios de Tesoureiro, Secretário, Mestre de Cerimónias, 2.º Vigilante e 1.º Vigilante.

As vantagens são evidentes: 1. não há disputas eleitorais, nem dissensões, nem zangas devido a eleições; 2. O venerável Mestre ascende ao ofício mediante um percurso que lhe permite o conhecimento e a prática de variadas e importantes responsabilidades dentro da Loja; pode dirigir a sua equipa com conhecimento de causa do que é o exercício dos vários ofícios; efectua alterações em função da sua própria experiência, não de vagas impressões; a Loja tendencialmente sabe quem a vai sucessivamente dirigir nos próximos 5 anos.

A válvula de segurança que a Loja Mestre Affonso Domingues instituiu para prevenir a tentação de abusos foi a inclusão no início da “linha de sucessão” do Tesoureiro. É que este é, além do Venerável Mestre, o único ofício cuja titularidade é preenchida por eleição. Ou seja, entra-se na “linha de sucessão” por eleição. Não por designação. Quando a Loja elege um Tesoureiro, sabe que está, não só a fazê-lo, mas a escolher o Venerável Mestre de daí a seis anos! E, se conseguimos que, até agora, só haja, em cada ano, um único candidato ao ofício de Venerável Mestre, o 1.ª Vigilante em exercício, para a eleição de Tesoureiro não é bem assim: já houve, e é bom que assim seja, mais do que uma candidatura. Assim se conquista a legitimidade.

Uma última nota: o sistema, além de informal, não é rígido. Já aqui no blogue dei conta de situações em que houve alterações na “linha de sucessão” (veja-se, por exemplo, o texto A ultrapassagem). Pontualmente outras vai havendo, em função das circunstâncias e dos inesperados percalços. Por exemplo, perdemos este ano um dos elementos que integravam a “linha de sucessão”. Já temos, segundo creio, a questão resolvida a contento ou, pelo menos, da melhor forma possível.

Enfim, a “linha de sucessão” não existe regulamentarmente, é informal e consensual, mas é sobretudo um guia, um apoio, não uma imposição. Porque estabelecida fraternalmente.

Rui Bandeira

Publicado no Blog “A partir pedra” em 15 de Maio de 2008

Partilhe este Artigo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish