Salomão Sequerra Amram (1933-2013), maçom discreto

Salomão Sequerra Amram

Diz o Povo que um mal nunca vem só. Os provérbios populares advêm de constatações empíricas, umas vezes justificadas, outras apenas decorrendo da maior ou particular atenção que, em certas circunstâncias, se dá a uma categoria de fenómenos. A extinção da vida é um desses fenómenos que, quando ocorre em relação a alguém perto de nós, estimula esse tipo de atenção. É, assim, comum que, quando alguém próximo de nós se extingue, haja a tendência de nos interrogarmos da proximidade de outro evento semelhante. E, às vezes, a álea da vida confirma a dúvida.

Ainda mal refeitos da notícia da Passagem ao Oriente Eterno de um Irmão que foi fundador da Loja Mestre Affonso Domingues, fomos surpreendidos por outra de natureza semelhante, a da Passagem ao Oriente Eterno de Salomão Sequerra Amram.

O Salomão, insigne cardiologista, que nos deixou no dealbar da sua oitava década de vida, já se retirara da Loja há alguns anos. Dos atuais obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues, poucos privaram com ele. Só os mais antigos dele se recordam, com apreço.

O Salomão esteve poucos anos junto de nós e primou sempre pela discrição. Apesar do seu enorme prestígio profissional, nunca puxou de galões de sabedoria médica. Ouvia mais do que falava. Sorria bastante, normalmente com aquele sorriso benévolo que os que bem viveram mostram com frequência, perante os entusiasmos, as perspetivas, as perplexidades dos mais novos, que ainda se surpreendem com aquilo que pelos mais velhos já há muito deixou de ser novidade.

Apesar da sua valia e reconhecimento profissionais, recordo-me da forma natural e interessada como o vi sentado nas filas traseiras das Colunas, como, com naturalidade, cumpriu o seu longo período de silêncio e como apesar dos seus afazeres, apresentou as suas pranchas de proficiência, professor regressado à posição de aluno que apresenta o resultado de seu estudo a um júri que, sendo de pares, não deixava de ser de julgadores.

Professando e praticando a religião judaica, sempre se integrou no grupo com todo o à-vontade.

A sua postura, se bem a consigo definir, foi sempre de uma discreta e solícita atenção e participação. Estava sempre disponível para ajudar ou para esclarecer, mormente no que à sua profissão dizia respeito.

Depois, o peso da idade e da saúde a fragilizar começou a cobrar o seu tributo e o Salomão teve de cessar a sua participação na Loja. Fê-lo com a elegância que sempre o caraterizou. Ao ver que não podia continuar a ser um obreiro assíduo, pediu e recebeu o seu atestado de quite e adormeceu. Assim fazem os homens de bem. Assim farei eu porventura um dia que verifique não poder continuar a assegurar a assiduidade na Loja.

Foi uma honra ter privado com o Salomão. Foi uma lição poder verificar como o valor e a competência não impedem a simpatia, a disponibilidade e a humildade.

Salomão Sequerra Amram deu-nos a honra de ser um dos nossos. Orgulhosamente aqui o evocamos.

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra” em 04 dezembro 2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish