José Luís Ribeiro Moita de Macedo, maçom improvável

Ao longo dos quase vinte anos que tenho da Loja Mestre Affonso Domingues, conheci umas centenas de Irmãos. Com alguns forjei laços de amizade. Com outros, construí uma agradável relação de camaradagem. Com outros ainda, uma saudável relação fraterna de integração num mesmo grupo. Com poucos, muito poucos, as circunstâncias do nosso contacto não possibilitaram um conhecimento mútuo. José Luís Moita de Macedo foi um desses poucos casos, nem sei bem porquê. Quando preparava a edição do livro relativo aos Vinte Anos da Loja, o José Ruah enviou-me a lista, que trabalhosamente efetuou, dos obreiros que, ao longo deste tempo, passaram pela Loja. Um dos nomes incluídos nessa lista era o do José Luís Moita de Macedo – com a indicação de que já tinha falecido.

Uma vez que o projeto do livro previa a inclusão de textos evocativos dos Irmãos da Loja que, nos dois decénios de vida desta, tinham já passado ao Oriente Eterno, a minha falta de memória em relação ao José Luís tornava-me tarefa quase impossível elaborar o texto evocativo que era de toda a justiça dedicar-lhe. Pergunta daqui, inquire dacolá, cheguei à conclusão de que a pessoa indicada para escrever essa evocação era o Antigo Venerável da Loja, presentemente adormecido mas sempre fraterno e disponível para colaborar, Vítor E. C.. A ele solicitei o texto evocativo, que foi incluído no livro. O In memoriam do blogue não ficaria completo sem a evocação aqui deste Irmão.

Portanto, aqui transcrevo o texto de Vítor E.C., evocativo de

José Luís Moita de Macedo, maçom improvável

Jornalista Profissional

Nasceu a 16 de Julho de 1953

Faleceu a 5 de Fevereiro de 2000

O nosso querido Zé Luís, foi sempre, para muitos de nós, que o conhecíamos bem, um improvável maçon. Na forma, assumo e digo eu… Não era homem de espaços fechados, não era pessoa de rituais, detestava o fato escuro, a alva camisa, a gravata preta e as luvas brancas – assim não poderia praticar os seus próprios rituais de mordiscar, nervosamente, o dedo indicador! – nem, sequer, era sensível ao cadenciado mito drama dos nossos catecismos! Davam-lhe sono…

No conteúdo, contudo, o Zé Luís, foi sempre um Irmão! Um Irmão e… um Amigo! Quando nem sempre o Amigo é um Irmão e, muitas vezes, o Irmão não pode ser o Amigo! De facto, ele foi Irmão, por um sentimental, emotivo e singular laço de amizade que o unia a alguns de nós – ao Manuel A. G., ao José Manuel Severino, ao João M. V., ao H. S. e a mim – e a Todos foi fiel bem como a Todos os outros Irmãos que, pela sua simpatia e bonomia, o adoptaram, também, pela sua fidalga e discreta maneira de estar e de ser.

Aceitou o desafio, não fez muitas perguntas e como bom coração e alma solidária, embarcou, cúmplice e fraterno!

As lides em loja não eram, de todo, do seu agrado! Mas as nossas obras de solidariedade, os convívios, os passeios, o trabalho de sapa que sempre nos é pedido, como obra cívica e exemplo de ética social… sempre mereceram dele toda a atenção, disponibilidade e carinho. Era membro de uma outra fratria que nos unia, também em Loja e, espiritualmente ao Fernando Teixeira – era Epicurista, Monárquico e Aficionado Tauromáquico! Como Homem de Cultura, filho de um grande vulto das nossas letras e artes – o pintor e poeta Moita Macedo! – e, sobretudo, como Jornalista, ao serviço do “Correio da Manhã”, foi sempre incansável na divulgação, na promoção e no engrandecimento da nossa Loja e da Grande Loja.

Cruzou o Oriente Eterno, na força da vida, quando dele ainda muito se esperava e ele próprio tinha, ainda, muito para dar… deixou um peculiar vazio, uma Saudade e a Memória que aqui se evoca, com chorada Amizade!

Vítor E. C.

Aqui deixo esta evocação do José Luís. Não o conheci muito bem. Mas não o esqueci!

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra” em 06 outubro 2010

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish