O conceito maçónico de “Grande Arquiteto Do Universo” – II

Todo-poderoso, Senhor, Altíssimo, Santo de Israel, Criador, Eterno; Deus sempre foi referido por muitos nomes, não só nas tradição judaico-cristã como noutras. “Grande Arquiteto do Universo” é só mais um nome, para além dos muitos que já existiam, dirigido à mesma Entidade. A designação escolhida liga o Divino ao simbolismo adotado pela Maçonaria, tornando-O mais próximo ao atribuir-lhe um nome partilhado por poucos – assim como aqueles nomes por que somos conhecidos apenas no mais restrito círculo familiar, mas não mais além.

Não creio – mas é questão de mera convicção pessoal, que vale o que vale e só até que encontre verdade mais sustentada – que estivesse na génese da criação desta expressão a preocupação em encontrar-se uma designação que fosse neutra de modo que nenhuma religião ou fé pudesse reclamá-la para si, e que igualmente nenhuma pudesse ver como absolutamente estranha. Todavia, à medida que a Maçonaria foi abarcando no seu seio mais do que apenas cristãos – como sucedia de início – e alargou o seu âmbito às outras religiões “do Livro”, e depois a muitas outras, a neutralidade dessa designação acabou por revelar essa enorme utilidade.

No entanto, só depois de ser iniciado e de assistir a várias sessões é que me apercebi do quanto ainda existe na maçonaria que trai as suas origens judaico-cristãs: a expressão “Deus” ainda é referida, bem como algumas passagens da Bíblia / Torah. Nada surge que seja inequivocamente do acervo de outras religiões. No entanto, a designação “Grande Arquiteto Do Universo” é recorrente, especialmente numa circunstância: na expressão “À Glória Do Grande Arquiteto Do Universo”. Esta expressão, no meu entender, é que é a chave para a exigência da fé no “Grande Arquiteto do Universo”.

De facto, o facto de a Maçonaria Regular trabalhar “À Glória Do Grande Arquiteto Do Universo” constitui uma afirmação mais estrita do que a mera manifestação de fé no “Grande Arquiteto Do Universo”. Não basta então crer em Deus; é preciso estar disposto a trabalhar à Sua glória, e isso limita, de imediato, as diversas conceções possíveis de Divindade. Uma divindade apenas criadora – qual pai ausente tendo abandonado o lar, apenas gerador mas não educador – não cairá, possivelmente, dentro deste conceito. Uma difusa “força impulsionadora para o bem”, como é entendida por alguns budistas, não o será também.

A crença em que dos nossos bons atos decorre a Glória daquele a quem chamamos “Grande Arquiteto Do Universo” constitui um poderoso elemento de coesão e de identificação – e, na perspetiva oposta, pode constituir forte fator de desconforto e alienação para quem não partilhe dessa convicção. E a exigência desta crença serve, precisamente, para manter os maçons regulares coesos pela partilha dessa identidade.

Por esta razão, e no meu entender, a pergunta feita a um neófito não deveria ser apenas “Acredita no Grande Arquiteto do Universo?”, mas mais na linha de “Identifica-se com a ideia de que o Homem deve trabalhar À Glória do Grande Arquiteto do Universo?” Mais do que estéreis (porque inconclusivas) discussões filosóficas entre teísmos e deísmos, parece-me ser esta convicção de que não só há um Deus, mas de que Ele é glorificado pelos que fazemos de bom, o que estabelece a resposta a que crenças cabem – ou não cabem – no seio da Maçonaria Regular tal como esta é entendida nos dias de hoje.

Paulo M.

Publicado no Blog “A partir pedra” em 20 de Fevereiro de 2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish