ANTIGOS DEVERES: De Deus e da Religião

anderson_constitutions

Já anteriormente, a propósito do Segundo Landmark, aqui referenciei os Antigos Deveres (Ancient Charges), que devem ser respeitados pelos maçons. Tendo sido compilados nas Constituições de Anderson de 1723, estão divididos em seis temas, o primeiro dos quais o respeitante a Deus e à Religião e que é do seguinte teor:

Um Maçon é obrigado, pela sua condição, a obedecer à lei moral. E, se compreende correctamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso. Mas, embora, nos tempos antigos, os maçons fossem obrigados, em cada país, a ser da religião desse país ou nação, qualquer que ela fosse, julga-se agora mais adequado obrigá-los apenas àquela religião na qual todos os homens concordam, deixando a cada um as suas convicções próprias: isto é, a serem homens bons e leais ou homens honrados e honestos, quaisquer que sejam as denominações ou crenças que os possam distinguir. Por consequência, a Maçonaria converte-se no Centro de União e no meio de conciliar uma amizade verdadeira entre pessoas que poderiam permanecer sempre distanciadas.

Desde os tempos da Maçonaria Operativa que este princípio é seguido. Pode, assim, dizer-se que integra o núcleo verdadeiramente essencial do ideário maçónico.

A Maçonaria regular, deísta, costuma fundar a sua recusa de admissão de ateus ou agnósticos, só admitindo quem seja crente num Criador (independentemente da religião professada ou da forma como essa crença é vivida) na frase de que o maçon, se “compreende correctamente a Arte, nunca será um ateu estúpido nem um libertino irreligioso”.

A Maçonaria Liberal, que admite ateus e agnósticos, preferirá enfatizar que “um Maçon é obrigado, pela sua condição, a obedecer à lei moral” e que o ideário maçónico apenas obriga os maçons “a serem homens bons e leais ou homens honrados e honestos, quaisquer que sejam as denominações ou crenças que os possam distinguir”.

Dois caminhos, dois estilos, uma mesma raiz comum, uma similar exigência de rigor e elevação.

In Blog “A Partir Pedra” – texto de Rui Bandeira (26.02.07)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish