Mário Martin Guia – maçom bom

Mário Martin Guia passou ao Oriente Eterno na madrugada da passada sexta-feira, dia 30 de junho de 2017. Ao princípio da manhã, alguém colocou a informação numa rede social. Ao longo desse dia multiplicaram-se as mensagens de pêsames e de homenagem ao extinto. O que impressionou não foi a rapidez e a amplitude da reação. Foi a forma como quase todos reagiram. Claro que todos manifestaram o seu pesar pelo acontecimento. Mas, sobretudo, celebraram a vida e o caráter e a postura de Mário Martin Guia.

Comecemos pelo menos importante. Mário Martin Guia foi Grão-Mestre da Grande Loja Legal de Portugal / Grande Loja Regular de Portugal entre 2007 e 2010. Passemos agora ao que mais interessa. Mário Martin Guia foi um homem bom. Muito bom. A sua simplicidade era tocante. O seu bom humor cativava. A sua disponibilidade para os demais exemplar. A sua bonomia aconchegante. O seu calmo sorriso a todos influenciava. Era simples e cordato sem deixar de ser firme, quando era necessário que o fosse. Foi tolerante com os outros e exigente consigo mesmo.

Foi poeta. Publicou vários livros de poesia. Aqueles que os detêm guardam-nos ciosamente. Mais próximo de António Aleixo do que de Cesário Verde. Mais na linha do (justamente) bem mais conhecido José Fanha do que na de Antero de Quental. Dos clássicos, talvez tivesse alguma similitude com Guerra Junqueiro – exceto no anticlericalismo deste, que não compartilhava.

Mário Martin Guia, para muitos de nós era, simplesmente, o Tio Mário, alguém sempre disponível para uma opinião, um conselho, uma orientação – ou uma boa cavaqueira… Muitos de nós, volta e meia, passávamos pela Mexicana durante as manhãs, sabendo que o Mário normalmente ali estaria e sabendo também que estaria disponível para tertuliar connosco.

Enquanto Grão-Mestre da GLLP/GLRP, não me recordo de o ver ordenar fosse o que fosse. Mas lembro-me bem – como me lembro! – da forma como ele conseguia sempre aquilo que pretendia: limitava-se a pedir. às vezes, meramente a sugerir. Sempre sorridente. Mas, se necessário, mais tarde pedia de novo. E de novo. E ainda outra vez. Insistia até, se preciso fosse, vencer o visado pelo cansaço… Sei do que falo: este texto publicado aqui no blogue contém uma bem disposta referência a isso…

Enquanto Grão-Mestre da GLLP/GLRP, assegurou com aprumo e interesse a representação internacional da Obediência, tendo efetuado várias e cansativas viagens. Mesmo muitas vezes regressando derreado, nunca perdia o seu sorriso, justificado pela satisfação do dever (bem) cumprido. Nos seus contactos internacionais, nas suas presenças em cerimónias levadas a cabo por Obediências estrangeiras, ficou célebre a forma como se apresentava. Evidenciava-se do conjunto dos demais Grão-Mestres por usar, não um rico avental de Grão-Mestre, com seus dourados, mas um simples avental branco, apenas elegantemente bordado à mão nas suas extremidades, creio que por uma sua familiar. Com isso mostrava que, apesar de Grão-Mestre, se considerava sempre um eterno Aprendiz. Mas o certo era que – pela diferença da humildade – se evidenciava, se destacava entre os seus iguais. Se me for permitido aqui deixar um pedido à família do Mário, esse é que autorize que esse avental branco bordado nas orlas fique à guarda da GLLP/GLRP. Seria uma peça importante no seu museu. Dele deveria sair apenas em escolhidas ocasiões: para ser utilizado nas Cerimónias de Investidura dos futuros Grão-Mestres, assim lembrando ao investido que deve sempre manter o espírito de humildade do Aprendiz e que o seu ofício é um serviço, não uma honraria.

Celebremos, pois, a vida do Mário, um maçom – um homem – bom! Por mim, agradeço ter tido oportunidade de com ele privar e com ele aprender.. Repito aqui algo que várias vezes lhe disse de viva voz:

– Quando eu for grande, gostava de ser como o Tio Mário!

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish