Carlo Collodi, o maçon que criou Pinóquio

carlo_collodiCarlo Collodi não era o seu verdadeiro nome, antes um pseudónimo usado por Carlo Lorenzini. Mas foi por Carlo Collodi que ficou mundialmente conhecido.

Nasceu em Florença em 24/11/1826 e aí passou ao Oriente Eterno em 26/10/1890. Foi jornalista, escritor e combatente voluntário na Guerra de Independência de Itália, entre 1848 e 1860.

Publicou as obras “Gli amici di casa” e “Un romanzo in vapore. Da Firenze a Livorno. Guida storico-umoristica”, por volta de 1856. O seu primeiro livro infantil foi publicado em 1876 e intitulou-se “Raconti delle fate”. Em 1877 escreveu “Giannettino” e no ano seguinte ” Minuzzolo”. Em 1881, inicia a publicação de um periódico virado para o público infantil, o “Giornale per i bambini”. Foi nesse peródico que originalmente foi publicada, em curtos capítulos, a “Storia di un burattino” (História de um Boneco), o primeiro título do que veio a ser o livro mundialmente conhecido por “Aventuras de Pinóquio”, a sua obra-prima. Em 1887, publica ainda “Storie allegre”.

A condição de maçon de Carlo Collodi, apesar de não estar confirmada por nenhum documento oficial, é indisputadamente reconhecida. Aldo Molla, profano que, em Itália, é geralmente reconhecido como o historiador ofical da Maçonaria, manifesta essa certeza. Vários elementos biográficos de Carlo Collodi parecem confirmá-la: a criação em 1848 de um jornal chamado “Il Lampione”, que, como ele dizia, devia “iluminar todos aqueles que vagueavam nas trevas”; a participação na Guerra da Independência integrado nos voluntários toscanos, em 1848, e a sua, também voluntária, integração no exército piemontês em 1859; a sua extrema proximidade ao reconhecido maçon Mazzini, de quem se declarava “discípulo apaixonado”.

Os princípios caros à Maçonaria expressos na trilogia Liberdade – Igualdade – Fraternidade estão expressos nas “Aventuras de Pinóquio”: a Liberdade, porque Pinóquio é um ser livre e que ama a Liberdade; a Igualdade, porque a única aspiração de Pinóquio é ser igual aos outros e porque nenhuma personagem é superior às demais, nem em importância, nem em nível social; a Fraternidade, porque este é o sentimento principal que faz agir as personagens nas diferentes situações.

Os elementos para elaborar este texto foram recolhidos aqui e ali

In Blog “A Partir Pedra” – texto de Rui Bandeira ()

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish