As marcas da ira

Era uma vez um garoto que tinha um temperamento muito explosivo.

Um dia, o seu pai deu-lhe um martelo, um saco cheio de pregos e uma tábua de madeira e disse-lhe que, a partir daí, ele deveria martelar um prego na tábua de cada vez que perdesse a paciência com alguém.

No primeiro dia, o garoto colocou 37 pregos na tábua. Ao fim do dia, compreendeu que, se continuasse sem dominar o seu temperamento irado, brevemente esgotaria os pregos e o espaço na tábua.

Nos dias seguintes, à medida que ia aprendendo a controlar a sua raiva, o número de pregos martelados por dia ia progressivamente diminuindo.

O garoto ia descobrindo que lhe dava menos trabalho controlar a sua raiva do que estar a pregar pregos na tábua.

Finalmente, chegou o dia em que o garoto não perdeu a paciência nenhuma vez.

Contente, o garoto foi contar ao seu pai o sucesso que, com esforço, alcançara e como se sentia melhor em já não estar constantemente a explodir com os outros.

O pai, sorrindo, disse-lhe então que devia retirar todos os pregos que tinha cravado na tábua e mostrar-lha.

Quando o garoto executou a tarefa ordenada, o pai disse-lhe:

– Meu filho, estás de parabéns por teres dominado a tua propensão para a ira, mas ainda não é tudo. Olha agora para a tábua e repara nos buracos que os pregos que tu lhe cravaste nela deixaram. Ela nunca mais voltará a ser como era.

Portanto, lembra-te: sempre que disseres algo estando com raiva, as tuas palavras deixarão marcas em quem ouvir o que disseres, tal como as marcas dos pregos que cravaste ficaram na tábua.

Ainda que depois peças mil vezes desculpa, a cicatriz continuará.

Uma agressão verbal é tão danosa – às vezes, mais! – como uma agressão física.

Lembrem-se desta lição. Não me façam zangar!!!

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra” em 13 abril 2007

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish