A origem da designação “Lisboa”

Base: Livro “FOI ASSIM MESMO QUE ACONTECEU? de Sérgio Luís de Carvalho, 2ª Edição.

Nota prévia (de esclarecimento): Em azul está o que respiguei com rigor do livro referido e a preto os meus comentários

No caminho da lenda de ULISSES

ULISSES, rei de Ítaca, foi incorporado no exército grego quando estes desencadearam a guerra contra Tróia. Esta guerra durou 10 anos, acabando com a célebre artimanha do “Cavalo de Tróia”, atribuída ao próprio Ulisses.

Nota: O dito ULISSES terá sido um bom terrorista da época (a chamada artimanha do Cavalo tem todas as característica dos actos terroristas actuais – entrada dissimulada numa zona defendida pelas “legítimas autoridades governantes”, com a execução de actos de guerra subversiva (morte dos habitantes e saque) executados durante a noite, mas como “navegador” parece que deixava muito a desejar.

No seu regresso a Ítaca, numa viagem que se revelou atribulada e perigosa, Ulisses demorou mais de 10 anos, tendo passado por vários perigos em muitos e desvairados territórios.

Nota: Para ir de Tróia a Ítaca, que era quase ali ao lado e era a ilha de onde saiu 10 anos antes como rei, perdeu-se e acabou por navegar todo o Mediterrâneo oriental, médio e ocidental, até chegar às colunas de Hércules, depois chamadas colunas de Gibraltar, com a mudança temporal dos heróis, continuando para noroeste e aportando a Lisboa.

Quem lhe terá dado a carta de navegador? Como era rei, talvez se a tenha atribuído autonomamente. Pois se era rei, sabia navegar. Os reis achavam que sabiam tudo, ou não fossem reis por graça divina.

De acordo com um velho mito, no seu atribulado regresso a Ítaca, ULISSES terá passado por Lisboa, onde encontrou um povo que falava uma língua não muito deferente da grega.

Os habitantes do lugar chamavam a si mesmos “lusitanos”, pois se consideravam descendentes de “Luso”, filho do deus Dionísio.

Nota: Descendentes (netos directos) de um deus grego, falariam naturalmente uma coisa parecida com “a língua grega”. Presumo que o próprio Ulisses falaria pelo menos grego, além do itaquês. Ulisses aportou (não lisboou) num local que se veio a chamar Lisboa. Mais uma guerra para os morcões.

Ulisses ergueu (ou mandou erguer?) um templo em honra de Pallas Ateneia, nele depositando muito do espólio trazido do saque de Tróia, e baptizou o sítio como Ulisseia.

Este nome viria a originar a designação greco-latina de Olissipo, génese do nome Lisboa. A semelhança dos nomes Ulisses, Ulisseia e Olissipo, são inquestionáveis.

Nota: O Ulisses mandou erguer um templo num local que não conhecia, e chamou-lhe “Ulisseia”, o que no mínimo revela uma pobre imaginação onomástica.

Quem terá sido o ministro das finanças (ou da divida pública, que aqui se deveria dizer portuguesa, para que não venha a ser exclusivamente paga pelos lisboetas), que delapidou o saque de Tróia? Ou terá sido o engº Belmiro?

Nas múltiplas variantes deste mito, uma diz que o herói grego teria chamado a sua filha Boa, para terminar a sua obra no sítio à beira-Tejo onde tinha aportado, uma vez que queria sobretudo regressar a Ítaca.

O nome da futura capital lusa seria assim uma conjugação dos nomes de Ulisses e Boa.

Nota: A designação de herói grego a um “rei de Ítaca” não sobreleva a questão do “mercenário”?
Ainda bem que a rapariga se chamava BOA. E como seria? Imaginem que se chamava má ou péssima? O nome que teríamos como Capital poderia ser ligeiramente exótico.

Onde estava a Boa, quando o pai a mandou chamar? Que idade tinha? Era mesmo boa (filha de rei …) ou nem por isso. O que lhe aconteceu depois de acabar o tal templo? Questiono esta mania dos historiantes só falarem dos reis,

Ainda no mundo dos mitos, outra lenda refere que Ulisses teria descoberto Achilles disfarçado de menina, nos arredores do estuário do Tejo, onde mais tarde nasceria Lisboa. Em homenagem a Aquiles, deu-se a este lugar o nome de Chelas.

Nota: Aquiles (ou Achilles, o tal do calcanhar) disfarçado de menina? Que coisa esquisita para um herói. Seria bichóide?

Dizem mesmo alguns autores da antiguidade que a sua amizade por Patrocle, seu companheiro de armas, morto por Hector, se poderia considerar excessivo.

Nesta parte da lenda as incongruências são demasiadas, uma vez que o Achilles morreu em Tróia, durante a guerra, quando foi atingido por uma flecha, no único ponto vulnerável do seu corpo. O disparador da tal flecha foi Páris, irmão de Hector, morto em combate por Aquiles. Então se o Achilles morreu em Tróia, como chegou a Chelas?

Conclusão: O Hector matou o Patrocle, companheiro muito querido do Aquiles. O Aquiles matou o Hector, irmão do Páris. O Páris matou o Aquiles. Tudo gente de alma leal e pura.

Esta história de Chelas, lembra-me uma scooter recentemente tornada famosa, e cujo guiante tem um nome parecido com Ulisses.

Falando de outra lenda relacionada com Lisboa, o nosso Padre António Vieira acusou Ulisses de usurpador, uma vez que para Vieira, Lisboa teria sido fundada por Elisa, bisneta de Noé, o que tornava a nossa capital 500 anos mais antiga que Roma.

Nota: Isto de ser mercenário e usurpador, com amigos também heróis disfarçado de menina causa-me muita estranheza. Além do um ataque de nacionalismo do Padre António Vieira …

É óbvio que estamos no campo do mito, nada contando para aqui a realidade história. Ulisses é uma personagem mitológica e nem a Odisseia sugere em momento algum que ele por aqui tenha passado. É verdade que se trata de uma lenda bonita, como são sempre as lendas. Enfim, Ulisses nunca morou aqui. Mas é uma bela história, mesmo assim …

Helder da Palma Veiga
Publicado no Blog “A partir pedra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish