Sobre o Método Maçónico (III)…

Já em dois textos anteriores que podem ser consultados aqui abordei como assunto o Método Maçónico e hoje volto ao mesmo tema para complementar o que foi anteriormente publicado.

O designado “Método Maçónico” é um processo refletivo, seja ele autónomo (pessoal) ou coletivo (na forma de debate).

Na sua forma pessoal, é um modo de auto-questionamento que em última instância levará ou deveria levar, a um aprimoramento moral e social do seu interlocutor.

As questões pessoais que afligem e que com as quais se debate um maçom enquanto ser humano, logo “ser pensante”, os “talvez?!”, os”quês?!”, os “porquês?!”, os “serás?!”, os “conseguirei?!” e outras questões análogas que possam surgir na mente e na vida de um maçom, serão a base do seu pensamento, da sua motivação e que levarão à sua suplantação pessoal.

Isto é a busca pelo auto-aperfeiçoamento, conceito este commumente tão propalado no meio maçónico.

Já a prática da reflexão coletiva na forma de debate ou discussão de ideias, leva a que se possa partilhar o que se conhece, a informar e ser-se informado, trocar pontos de vista e opiniões diversas e/ou contrárias, com o intuito da obtenção de consensos e/ou informação que seja verdadeira ou a mais próxima da realidade.

Este método em si não é muito díspar de outros que também usam o debate e partilha de ideias, logo não será nem melhor nem pior que os restantes, mas é aquele que os maçons utilizam como sustentáculo da sua filosofia.

O “Século das Luzes”, época na qual a atual Maçonaria (Maçonaria Especulativa) teve origem, foi um tempo de debates intensos e amplos na sociedade vigente e muito das ideias e ideais que se partilhavam nessa altura da história eram originários e debatidos no seio das lojas maçónicas de então. E sendo as Lojas Maçónicas um espaço (local) onde a liberdade de expressão e de ideias sempre existiu, ainda para mais nesse tempo em que a Liberdade era um conceito mais teórico que prático no mundo, estas Lojas albergavam a vanguarda do pensamento da época; o que possibilitou a transferência desse espírito liberal para a sociedade civil, levando a um consequente avanço tanto da sociedade em si como também da forma de pensar das pessoas que viveram nesses tempos.

– E a Maçonaria ainda o continua a fazer contemporaneamente…-

Pois o facto da atual Maçonaria ser designada por “especulativa” é devido à própria Ordem fomentar a “especulação”, o debate, a “conversa” livre de dogmas, em si, “o questionamento”.

– Apenas questionando se pode evoluir!-

Esta maçonaria dita de “especulativa” é muito diferente da maçonaria primitiva, a Maçonaria Operativa, que era a maçonaria dos “construtores das catedrais”, que tinha outro tipo de intervenção e preocupações.

E com a entrada de pessoas nestas guildas (associações ligadas à “Arte de Construir”) que tinham outro tipo de profissões e origens, procedeu-se a uma “transformação” na forma e essência que caracterizava essa maçonaria. Deixando esta de ser uma associação ou fraternidade de trabalhadores unidos pelo elo da “construção” para se tornar em algo mais que um mero “clube de discussão”. E friso “algo mais” porque estes grémios acabaram por mudar/mutar o sistema pensante vigente, porque ao sentar lado a lado, de igual para igual, gente com origens e forma de pensar (muitas vezes) distinta, criou algo que seria quase impensável para a época e para os locais onde a Maçonaria Especulativa se ia então estabelecendo e consolidando.

– E é também por estas razões que este “método” que é desenvolvido de uma forma racional e algumas vezes pragmática, tem uma maior eficácia e interesse na sua executabilidade. –

Assim e pelo que referi anteriormente, pode-se concluir que o “pensamento” foi sempre, na Maçonaria, um ponto de partida para algo mais. Quer fosse a nível pessoal ou de forma coletiva, propiciando a evolução pessoal (dos seus obreiros) e o progresso civilizacional dos povos onde (a Ordem) se encontre instituída.

Estas são as principais metas a que Maçonaria se propõe a atingir/efetuar, seja como Instituição ou através dos seus obreiros.

Nuno Raimundo
Publicado no Blog “A partir pedra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish