Ritual

r_aprendiz

r_companheiro

r_mestre

A maçonaria é um método de aperfeiçoamento moral, espiritual e ético dos seus membros. com o recurso a símbolos e alegorias. Estes apresentam-se sob variadas formas. Mas cada Loja maçónica organiza o seu trabalho segundo um específico ritual, uma particular forma de disposição dos elementos simbólicos em Loja, de sequência dos trabalhos, de evolução e apresentação das alegorias, das falas e respostas praticadas.

O primeiro objectivo do ritual é CONGREGAR. Congregar as vontades, a atenção, do grupo. O segundo objectivo é DEMARCAR. Demarcar a diferença entre o mundo profano e o espaço maçónico. O terceiro objectivo é HARMONIZAR. Harmonizar a resposta psicológica e comportamental do grupo e de cada um dos elementos que o integram ao que se passa. O quarto objectivo é IMPRIMIR. Imprimir, no espírito de cada um, pela repetição, as lições que traz em si. Finalmente, o quinto objectivo é ENSINAR. Ensinar as lições morais, comportamentais e éticas que o ritual contém.

Por isso, o ritual é repetido, incessantemente, reunião a reunião, implantando nos elementos da Loja os objectivos a que se propõe. Os obreiros mais antigos, sem sequer terem a necessidade de efectuar qualquer esforço para tal, acabam por memorizar o ritual, notando quaisquer variações que, por qualquer lapso, porventura ocorram.

Em cada grau, determinadas partes do ritual são imutáveis e a sua execução repetida incessantemente, invariavelmente, reunião a reunião. É o caso, designadamente, dos rituais de abertura e de encerramento, afinal a demarcação entre o a profanidade e a o trabalho maçónico. Outras partes só são executadas em função dos trabalhos previstos para esse dia. Dentro do ritual propriamente dito, e ressalvando os vários graus em que o mesmo é trabalhado, há rituais de iniciação, passagem, elevação, instalação, consagração de Loja, regularização, etc..

No seu conjunto, e atentas todas as suas variantes, o ritual praticado por cada Loja é longo e pejado de significados simbólicos.

O simbolismo que cada obreiro retira, surpreende, obtém, do ritual praticado pela sua Loja não é instantaneamente apercebido. Algumas partes, alguns símbolos, algumas lições, são perceptíveis logo na primeira vez que se assiste á execução do ritual, entendíveis nas vezes subsequentes, interiorizadas seguidamente. Mas outros significados, outras lições, adicionais conclusões, só mais tarde, quiçá após dezenas ou mesmo centenas de execuções do ritual são apercebidas por um obreiro. Por vezes, porque é preciso obter determinada conclusão, para se aperceber do corolário que se lhe segue, expresso no ritual, mas insuspeitado até que se atingisse a conclusão que lhe era prévia. Outras vezes, simplesmente porque só então, após evolução do obreiro, este dá atenção ao que anteriormente lhe escapara.

Há quase vinte anos que executo e assisto à execução do mesmo ritual, e quase sempre na mesma Loja. No entanto, não é raro, é mesmo frequente, surpreender em determinada passagem um significado de que ainda não me tinha apercebido, uma lição que ainda não aprendera, uma relação que ainda se me não abrira. E, como eu, todos os maçons, particularmente os mais antigos, verificam o mesmo.

Curiosamente, os mais novos, passada a fase da sua aprendizagem, têm um primeiro estádio em que pensam já tudo saber. E uns julgam nada mais ter a aprender, e insensivelmente desinteressam-se. São, afinal, os que muito pouco aprenderam. Outros passam além, coleccionam Altos Graus, novas cerimónias, outras alegorias, “diferentes” conhecimentos. Regra geral, anos mais tarde, regressam à Loja Azul e, rememorando, reapreciando, reanalisando o seu ritual, descobrem que afinal muito mais havia a saber do que anteriormente pensavam. Estes precisam de ir mais além para, voltando atrás, bem entenderem o caminho. Outros ainda cirandam e volteiam, permanecem semi-desorientados, não entendendo que há mais a entender, mas intuindo que muito lhes falta entender, até que, um dia, estão preparados e começam a ver significados onde antes havia amontoados de palavras. E então entendem. Foi o que a mim e muitos outros sucedeu.

Não se enganem nem duvidem: estou a falar de Mestres, relato experiências e evoluções de quem passou meses e anos a aprender os rudimentos da Arte Real e foi considerado capaz de buscar por si só o seu caminho. Vã presunção! Cada um de nós, impante de ser Mestre, mais não é do que cego à procura de Luz, surdo buscando sons que reconheça ou entenda o significado, tacteando na busca de se orientar! No entanto, se fez bem o seu trabalho, se tiveram razão os seus pares quando o consideraram capaz de o exaltar ao sublime grau de Mestre maçon, há motivo para ter esperança! Aprendeu a aprender. A orientar-se no meio do caos. A errar sem medo e a emendar sem rebuço. E paulatinamente fará o seu caminho!

O guia é sempre o mesmo: o ritual. Que vezes e vezes se ouve, se executa, sem um lampejo de novidade e que, subitamente, quando dentro de nós próprios estamos preparados para ver, nos mostra um novo significado, nos dá uma nova lição. nos aproxima um pouco mais da Luz.

O ritual é o pano de fundo do conhecimento maçónico. Nada ensina. Nada de jeito se aprende sem ele.

In Blog “A Partir Pedra” – texto de Rui Bandeira (23.07.2008)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish