Instrução em Maçonaria – VI

As minhas desculpas pelo atraso no texto, mas algumas dificuldades técnicas impediram-me de o concluir em tempo util.

Continuando a serie sobre instrução em Maçonaria e tendo os artigos anteriores sido essencialmente dirigidos à instrução de mestres e à auto instrução, creio que é momento de abordar a instrução tal como ela é compreendida na sua vasta generalidade.

Tradicionalmente são os Vigilantes de cada Loja que estão encarregues de proceder à instrução dos aprendizes e dos companheiros.

Não existe uma regra para proceder a esta instrução. Existem Vigilantes mais proactivos e outros mais passivos, às vezes até em excesso que de proactividade quer de passividade.

Em minha opinião é melhor ser proactivo que passivo, mas como em tudo há que ter limites. O excesso de proactividade pode ser invasivo do espaço de cada um e pode gerar também reacções adversas ao excesso de trabalho exigido.

E como pode um maçon falar em excesso de trabalho ! Pode. Antes de tudo somos pessoas, como as outras. Temos profissões, família, compromissos sociais, religiosos, profissionais, e também o compromisso com a Loja. Como mesmo para um maçon o dia tem 24h ( talvez haja um segredo maçónico que permite transformar em 36 mas não posso elaborar mais sobre isso) os trabalhos maçónicos têm também que ser doseados.

O primeiro trabalho de um vigilante tem que ser o de conhecer quem tem pela frente, quem é quem, que aspirações individuais, que motivações, que empenho, que via privilegia, o background educacional e pessoal, enfim tem que conhecer cada um dos seus aprendizes ou companheiros.

O segundo trabalho de um vigilante é, na posse das informações anteriores, estabelecer metas e determinar os assuntos que gostaria de ver aprofundados.

O terceiro trabalho é o de definir não um plano de trabalho geral, mas sim um plano de trabalho individual para cada um dos aprendizes ou companheiros, indo assim ao encontro das motivações individuais tendo em conta o estádio de conhecimento de cada um.

Surge aqui também uma pequena nuance. O Primeiro e o Segundo Vigilantes devem articular entre si o que vão fazer porque assim podem estabelecer planos de continuidade, isto é quando o Segundo passar a Primeiro e herdar alguns dos companheiros, ou quando os aprendizes passam a companheiro, não deverá acontecer sobreposição de assuntos e temas, por forma a maximizar a aprendizagem.

Esta articulação é também importante porque há assuntos transversais como sejam coisas básicas de ritual e que podem ser objecto de prelecções conjuntas, convidando eventualmente um ou outro Mestre mais versado sobre o tema para as dar.

Estabelecidos os planos individuais e a articulação com a outra coluna, então é chegado o momento de definir as acções globais, que para além de palestras sobre os temas que forem achados convenientes, devem a meu ver incluir deslocações a outras Lojas do mesmo Rito e mesmo a uma ou duas de Rito diferente.

Com um plano de trabalho definido a prazo, é possível calendarizar a apresentação dos trabalhos de proficiência de cada um dos aprendizes ou companheiros. O tempo deve ser um bom conselheiro e não deve haver a pressa de apresentar os ditos trabalhos muito rapidamente.
É preciso dar a quem chega tempo de aclimatação, tempo de fraternização, tempo de individualização e finalmente tempo de apresentação.

Uma Loja estruturada não deve ter pressa. Um aprendiz ou companheiro não precisa de ter pressa. Os Vigilantes não são avaliados pelos “ quilogramas” de aumentos de salário, mas sim pela qualidade do trabalho produzido.

É preferível ter menos Irmãos mais preparados, bem enquadrados, tendo absorvido a cultura da Loja correctamente, que mais Irmãos com deficiente instrução.

A instrução só tem sentido quando podemos projectar no futuro o seu resultado, e uma Loja Maçónica é intemporal logo tem que pensar sempre no futuro.

José Ruah

Publicado no Blog “A partir pedra” em 6 de Dezembro de 2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish