Como prosseguir

A sabedoria, a força e a beleza dos princípios que nos movem impelem-nos a caminhar, com passo sereno e seguro pela senda que escolhemos. Não se antolha nenhum motivo para os substituirmos ou para os modificarmos.

São, ao mesmo tempo, a nossa segurança e a nossa liberdade; porque nos apoiamos em conceitos apurados durante séculos por homens que respeitaram a moral e a ética e porque nos ensinaram a ouvirmos e a vermos como os nossos ouvidos e com os nossos olhos.

É com alguma apreensão que ouvimos desmoronarem-se à nossa volta edifícios de grande solidez aparente, enquanto outros são construídos com a argamassa do ódio.

A tentação, que muitas vezes nos ataca de desistirmos, de enfileirarmos comodamente em bandos onde a única responsabilidade exigida é a de acatar submissamente as ordens dos transmissores de pobres certezas, é vencida por muitos, entre os quais queremos estar sempre.

Continuamos a acreditar que juntos poderemos ir mais longe; que palavras como solidariedade, fraternidade , respeito pelo próximo, tolerância, justiça social e liberdade são expressões vivas que se vão decantando como consequência do nosso aperfeiçoamento espiritual.

E, se como atrás nestas notas soltas referi, importa respeitar os princípios, a forma como estes são em Maçonaria seguidos e difundidos deve ser objecto de atenta e profunda reflexão. Porque, se a Maçonaria visa o aperfeiçoamento de cada homem, visa o aperfeiçoamento deste integrado num grupo que por sua vez integra a sociedade toda.

Porque o maçon sabe que, se tem deveres para com os seus Irmãos, não pode esquecer os deveres para com todos os seus semelhantes que fazem parte de um tecido vivo em permanente transformação.

A Maçonaria deve pois adequar o modo como age aos modelos culturais e sociais de cada episteme.

Se dentro do Templo, com os nossos Irmãos, aprofundamos saberes iniciáticos, devemos fora do Templo utilizá-los e difundi-los sem os deturpar de forma a que sejam entendidos e respeitados.

Num tempo próximo em que, como em poucos outros, as variáveis serão em muito maior número do que as constantes, em que conceitos racionais, que só racionais, transportam ideias materialistas, que só materialistas, para o mundo das tecnologias e gritam triunfos onde só são conseguidos desencantamentos e desumanizações. Como Fernando Pessoa e tantos outros teriam pena de quem se acocora dentro das máquinas com medo de olhar mais longe…

As tecnologias todavia deverão, naturalmente, ser utilizadas, como pontualmente já sucede para transmitirmos o que pensamos, para dizermos quem somos, o que já fizemos a bem da humanidade e o que estamos disposto a fazer.

Sem escancararmos as portas do Templo, sem exibirmos (como já irresponsavelmente foi feito) o âmago da nossa cultura iniciática, devemos aproveitar melhor os meios que hoje estão ao nosso alcance, e que de certa maneira nos são impostos, para apontarmos criteriosamente valores e objectivos. Se tal não suceder, a ocupação de todos os centímetros e de todos os segundos pelos que propagandeiam oportunismos e toscas formas de marcantilismo deixar-nos-iam numa remota e ignorada penumbra onde foram vazados os que foram e já não são.

Para agudizar a premência do acerto da passada pelas formas sem esquecer conceitos, uma realidade surge de forma avassaladora e numa pressa vertiginosa: a globalização. Não temos tempo para coçar a cabeça cogitando no que ela poderá ser; porque quando acabássemos o gesto ela já cá estava, imponente depois de entrar por todos os poros e interstícios. O tema, muito bem tratado por vários oradores no Congresso Internacional da Maçonaria Regular em boa hora organizado pela GLLP/GLRP, tem pois de ser encarado dentro do Templo.

Com a preocupação de o entender e de, na coerência das nossas formar de intervenção, estudarmos como o devemos olhar e como ele pode influenciar o nosso trabalho.

De uma certeza podemos partir: a cultura maçónica não é monolítica e visa, como sempre, colaborar na criação de mais justos e livres modos de vida, para todos. Está aberta, na segurança dos seus princípios, para ser aperfeiçoada, para poder aperfeiçoar cada homem, para que a humanidade, seja cada vez mais só uma, mais justa e mais livre de todas as amarras.

E sabemos que a Maçonaria prosseguirá na mesma luta, não construindo na utopia mas no mundo em que vivemos um Templo diferente de todos os outros, em permanente aperfeiçoamento, procurando dar, com o respeito pelos mesmos princípios de sempre, respostas às angústias sentidas em cada época.

Numa perspectiva adjunta, a Maçonaria só ensina os conhecimentos que os homens lhe oferecem, só é o que os homens puderem ser, só tem o que o homens lhe derem.

Sempre com a esperança de se tornarem melhores.

Assim tem sido, com a liberdade de pensar e de criar que está na origem de toda a obra da Maçonaria, repelindo um olhar único e não esquecendo que cada tempo formulou as suas perguntas, deu as suas respostas e confrontou os maçons com a sua coragem de dialogar com a transcendência.

Em proféticas palavras que continham uma definição mas também um aviso para o futuro, o pastor Anderson disse que “um maçon nunca será nem um ateu estúpido nem um libertino irreligioso”.

(Excerto do artigo “A actualidade da Maçonaria”, da autoria do Mui Respeitável Grão Mestre da Grande Loja Legal de Portugal /GLRP, Alberto Trovão do Rosário, originalmente publicado em “O Aprendiz”, Revista da Grande Loja Legal de Portugal / GLRP – Nova Série, Ano 6, n.º 25; este é o nono e último de nove excertos que foram aqui publicados; o anterior foi publicado em 15/11/2006, sob o título “A Grande Loja Legal de Portugal / GLRP”. A imagem que ilustra este excerto é a fotografia do autor, a quem os colaboradores deste blogue agradecem a autorização dada para a publicação dos textos).

Rui Bandeira
Publicado no Blog “A partir pedra” em 20 novembro 2006

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish