A Maçonaria incorpórea

“Ministro da Saúde acusa Medicina de incoerência”. “Engenharia desacredita cursos do ensino privado”. “Dança moderna na bancarrota”. “Atletismo acusado de burla”. “Geografia convoca eleições”. “Química sobe os preços dos combustíveis”. Imaginem qualquer destas frases na primeira página de um jornal. Nenhuma delas faz sentido, pois não? Agora imaginem-nas alteradas desta forma: “Ministro da Saúde acusa Ordem dos Médicos de incoerência”. “Associação dos Engenheiros Civis desacredita cursos do ensino privado”. “Escola Nacional de Dança Moderna na bancarrota”. “Tesoureiro do Conselho Superior de Atletismo acusado de burla”. “Sociedade Lisbonense de Geografia convoca eleições”. “GALP sobe o preço dos combustíveis”. Já se percebe melhor, não acham?

A Medicina, a Engenharia, a Dança, o Atletismo, a Geografia, a Química, não são entidades; são, quando muito, nomes de áreas do saber, de técnicas, de actividades. Dizer-se que “a Medicina” fez isto ou aquilo é desprovido de sentido, assim como o é acusar-se “a Política” de má fé. Já dizer-se que “o quadro médico do Hospital X ganhou prémo de excelência” é um discurso pelo menos coerente, como o será acusar-se “o Secretário de Estado de Z” de má fé. Por outro lado, não parece correto dizer-se que “a ponte foi construída com recurso aos mais modernos conhecimentos da Ordem dos Engenheiros”, mas se dissermos “aos mais modernos conhecimentos da Engenharia” tudo muda de figura.

Entaladas entre dois conceitos ficam frases como “Igreja Católica condena o uso do preservativo”, ou “O Futebol está de luto”. O que não é claro, nestes casos, é a identidade do sujeito. “Igreja Católica” refere-se a quê, precisamente? Ao conjunto dos fiéis, significando que estes, na sua maioria, condenam o uso do preservativo; ou, por outro lado, ao Papa, enquanto representante da Igreja Católica, sendo este quem condena independentemente da posição da massa de fiéis? Quanto ao futebol, pode a notícia significar que, por exemplo, a Federação Portuguesa de Futebol decretou luto oficial por uma qualquer razão; ou pode, por outro lado, querer dizer que milhões de adeptos da modalidade sofrem com a perda de uma figura de referência. Qualquer das interpretações faz sentido; traduz é realidades distintas.

Precisamente o mesmo fenómeno ocorre de cada vez que se ouve ou lê: “A Maçonaria fez…”, “Maçonaria implicada em…” ou “Ligações à Maçonaria no caso…”, como se a Maçonaria, à semelhança de uma Igreja, de uma Colmeia ou um Clube Desportivo, fosse uma entidade, uma soma das partes, um substantivo coletivo. E aqui, uma vez mais, há quem tenha um entendimento, e quem tenha outro, quem concorde com esta posição e quem a repudie.

Para a Maçonaria Regular – de origem Britânica, recorde-se – “a Maçonaria” não é o conjunto dos Maçons, mas o nome daquilo que eles fazem, do mesmo modo que “a Medicina” é o nome daquilo que os médicos fazem, e não o nome que se dá ao conjunto dos médicos. Da esfera da Maçonaria Regular faz parte o princípio de que a Maçonaria não deve intervir na sociedade enquanto tal, mas apenas através de cada maçon. Cada um destes pode – deve! – promover a melhoria da sociedade através do seu próprio exemplo, da sua atuação e da sua influência, seja isoladamente seja em ações conjuntas dos elementos da mesma Loja ou, mesmo, da mesma Obediência (ou seja: da mesma Grande Loja ou Grande Oriente). Assim, não se pode dizer que a Maçonaria Regular tenha um “corpo” atuante, pois cada mão, cada dedo, cada cabelo, age por si mesmo, sem que haja concertação daquilo que se faz.

Entendimento diverso tem, normalmente, quem pratica a Maçonaria Liberal – de origem Francesa – por entender ser a Maçonaria o conjunto dos Maçons, ativamente empenhados, enquanto parceiro social, na promoção dos ideais maçónicos de uma sociedade mais livre, mais igualitária e mais fraterna. A Maçonaria é, aos seus olhos, o conjunto daqueles que defendem uma mesma visão do mundo, e que se congregam enquanto grupo organizado no sentido de a tornar realidade. Deste modo, atua de forma mais ou menos concertada, mas sempre com a consciência de que fazem parte de um todo, de um corpo, com um propósito comum para o qual cada um contribui na medida da sua possibilidade.

Em Portugal, a obediência internacionalmente reconhecida no seio da Maçonaria Regular é a Grande Loja Legal de Portugal/GLRP, de que a Respeitável Loja Mestre Affonso Domingues faz parte. A maior das obediências portuguesas internacionalmente reconhecidas no seio da Maçonaria Liberal é o Grande Oriente Lusitano (GOL). Uma e outra praticam Maçonaria – mas fazem-no de forma substancialmente diferente, decorrendo esta diferença, nomeadamente, do distinto entendimento que têm da ação da Maçonaria na sociedade. Não será alheia a esta diferença de postura perante a sociedade a profusão de referências nos media ao GOL, enquanto que a GLLP/GLRP tem uma exposição mediática muito mais reduzida. A avaliação do quanto de benéfico ou de nefasto para cada uma das Obediências e para a Maçonaria advém destas distintas posturas é algo que vos deixo como exercício de especulação individual.

E a partir de agora, quando ouvirem dizer ou lerem que “a Maçonaria” fez isto ou aquilo, averiguem a quem se refere a notícia: a que maçons, a que loja, a que obediência – isto, se não for “boato”. Vão ver que, se o fizerem, muitas das perguntas que aqui têm surgido ficarão rapidamente respondidas – ou saberão, pelo menos, a quem dirigi-las.

Paulo M.

Publicado no Blog “A partir pedra” em 17 de Setembro de 2010

(Todas as frases referidas no primeiro parágrafo são um produto de ficção e meramente exemplificativas; qualquer eventual correspondência com a realidade não passa de mera coincidência)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish