Dos Operativos aos Especulativos: o catalisador

No penúltimo texto, procurei demonstrar como algo falta na versão normalmente aceite sobre a evolução da Maçonaria Operativa para a Maçonaria Especulativa, como a simples aceitação de intelectuais que, progressivamente, passaram a controlar todas as Lojas operativas, ou quase, e, em quase perfeita sintonia temporal, modificaram a Maçonaria Operativa na...

Dos Operativos aos Especulativos: Vitrúvio

No texto anterior, expus o meu entendimento de que a tese clássica sobre a evolução da Maçonaria Operativa para a Maçonaria Especulativa necessita de ser completada, designadamente com a indicação do que terá ocorrido que tenha funcionado como propiciador e ou acelerador dessa transformação. A meu ver, houve, não um,...

Dos Operativos aos Especulativos: um elo perdido

Das várias teses sobre as origens da Maçonaria, a mais consensualmente aceite é que esta, na sua forma atual, geralmente referida como Maçonaria Especulativa, deriva das associações profissionais de construtores criadas na Idade Média. A essas associações designamos hoje por Lojas Operativas e ao conjunto de todas elas e regulamentos...

Variação sobre o silêncio

Já aqui no blogue publiquei um texto onde explanei o meu entendimento sobre o alcance, interesse e virtualidades do silêncio do Aprendiz e um outro texto dedicado ao silêncio do Companheiro. Não tencionava voltar ao tema tão cedo. Mas o homem põe e a fortuna (acaso, circunstâncias, conjunção astral, divina...

Deixar os metais à porta do Templo

Aos maçons é dito que devem deixar os metais à porta do Templo. Esta frase não deve ser, obviamente tomada no seu sentido literal. Não faz, evidentemente, sentido impor que um obreiro se despoje de tudo o que é metálico para aceder ao Templo. Até porque a Maçonaria de hoje...

O Visitante, o Viajante e o Turista

Três homens decidiram deslocar-se a uma grande cidade, uma daquelas cidades que todos desejamos conhecer, com história, dimensão, vida, monumentos, museus, teatros, cinemas, enfim, uma metrópole moderna. Todos eles dispunham de tempo e meios para por lá ficarem um mês e todos eles iam decididos a fazer a “viagem da...

Especular – o trabalho maçónico

Nascemos rodeados de atenções, crescemos no centro da nossa família nuclear, e muitos de nós passam pela vida sem nunca quebrar essa ilusão de importância, sem nunca se aperceber da nossa pequenez, da nossa insignificância, do nada que somos em face do que nos rodeia. A este respeito, chamo a...

O Quatuor Coronati Correspondence Circle

A admissão na Loja Quatuor Coronati, n.º 2076 da Grande Loja Unida de Inglaterra (UGLE) ocorre exclusivamente por convite formulado a maçons regulares que se tenham distinguido no campo dos estudos maçónicos ou em outro campo das artes, letras ou ciências. Porém, o resultado do trabalho desta elite de especialistas...

Aprender e Ensinar

Costumo dizer, com alguma frequência, e já aqui o escrevi, que a Maçonaria não se ensina, aprende-se. No texto Variação sobre o silêncio, porém, escrevi que ter a palavra é ter o poder de ENSINAR. E, nesse sentido, só os Mestres ensinam, só os mestres detêm a palavra. Atento, como...

Vigésimo oitavo V:.M:. – António M.

O elemento que a Loja unanimemente – como é habitual na Loja Mestre Affonso Domingues – escolheu para assegurar a responsabilidade de a dirigir no ano maçónico de 2016/2017 foi António M.. António M. era um veterano da Loja que a tinha deixado há alguns anos atrás, para colaborar no...

EnglishFrenchGermanPortugueseSpanish