24º V:.M.: - J. C.

sc 47Para o ano maçónico de 2013/2014, o obreiro consensual para assegurar o exercício do ofício de Venerável Mestre e, consequentemente, candidato único proposto por todos os Mestres presentes na sessão para o efeito destinada, foi J. D..

J. D. era um dos mais antigos obreiros da Loja, sempre muito participativo nela. Aquando da crise da cisão, desgostou-se e afastou-se. Anos depois, ainda bem antes da reunificação, voltou. Com a naturalidade dos nossos, reintegrou-se. A seu tempo, assegurou a função de Segundo Vigilante, um Segundo Vigilante exigente, que muito bem formou os seus Aprendizes. Na altura própria assegurou a função de Primeiro Vigilante e ultimou a formação de toda uma geração de obreiros da Loja Mestre Affonso Domingues. Era chegado o tempo de mais um dos históricos obreiros da Loja a dirigir e a sua eleição - como sempre na Loja Mestre Affonso Domingues - foi consensual.

Duas semanas passadas sobre a eleição, ainda em pelo período de exercício de funções do seu antecessor, J. D. faz saber aos mais antigos que, provavelmente, o melhor era ele renunciar a exercer o mandato para que fora eleito, pois era possível que as circunstâncias da sua vida privada o obrigassem a ausentar-se do país precisamente no ano do seu Veneralato.

Os mais antigos falam uns com os outros, consultam-se, pesam prós e contras, avaliam riscos, procuram superar as perplexidades de uma situação inédita. Em mais de vinte anos de Loja, nunca sucedera, efetivamente, situação semelhante, nunca um Venerável Mestre eleito comunicara, ainda antes da sua instalação, a possibilidade de poder ocorrer situação altamente prejudicial para o exercício do seu mandato.

Não obstante a perplexidade, o consenso não foi difícil. Desde logo, estava em causa um antigo e muito considerado obreiro, que há muito já provara merecer a confiança da Loja para a dirigir e não apetecia a ninguém que afinal não viesse a exercer o ofício para que justamente fora eleito. Aliás, estava-se perante uma possibilidade, não uma certeza... E, afinal, se o problema viesse a surgir, a Loja haveria de o resolver, como anteriormente resolvera todos os problemas com que se deparara...

O sentimento unânime foi, assim, que J. D. não deveria renunciar, deveria ser instalado e exercer o seu mandato e, se se concretizassem as circunstâncias que o levassem a ter de se ausentar do país, então se resolveria o problema.

J. D. foi, assim, instalado, escolheu o seu Quadro de Oficiais, anunciou o seu programa, começou a exercer funções e... pouco tempo passado, a possibilidade mostrou-se inevitabilidade: os mais antigos e o Quadro de Oficiais foram por ele informados que ia ter de estar vários meses fora do país.

O facto de o pior cenário se concretizar não abalou, porém, a Loja. O alerta que, ainda antes de iniciar funções, J. D. formulara já tinha permitido que se pensasse como se iria resolver o problema que porventura se viesse a colocar: bastava cumprir o que estava regulamentado! E o que está, na GLLP/GLRP, regulamentado é que, ocorrendo impedimento temporário do Venerável Mestre em funções, a administração transitória da Loja será assegurada pelo Primeiro Vigilante e a direção das sessões pelo Ex-Venerável.

Todavia, um outro problema havia ainda que superar: a Loja não tinha ex-Venerável, pois que o Venerável Mestre anterior - como aliás tinha, em devido tempo, informado a Loja, saira do seu Quadro de Obreiros, encontrando-se a dirigir uma outra Loja. Nada que tolhesse a Loja Mestre Affonso Domingues! Recorrer-se-ia ao Venerável anterior a esse e, se necessário, ao anterior a esse... Mas, aqui chegados, a Loja resolveu cumprir o espírito da solução mas inovar na sua execução: nada obrigava a que, na ausência simultânea do Venerável Mestre em funções e do seu ex-Venerável, as sessões da Loja fossem sempre dirigidas pelo mesmo antigo Venerável...

Ficou então resolvido que, enquanto durasse o impedimento de J. D., as sessões da Loja seriam sucessivamente dirigidas por cada um dos antigos Veneráveis que permaneciam no quadro de obreiros da Loja.

E foi assim que, mais de quinze anos passados, o José Ruah voltou a dirigir uma sessão da Loja - agora sem o espetro de cisão a assombrar o seu desempenho... -, quase tantos anos passados eu voltei a sentar-me na Cadeira de Salomão, e o Nuno L. e o A. Jorge e o João F. e ..., e... e... (é melhor não prosseguir na lista, senão ainda me esqueço de algum e é injustiça que não quero cometer...).

Em resumo, se não todos, quase todos os antigos Veneráveis ainda integrando o quadro da Loja foram assegurando a direção das sessões, sempre por convocação do Primeiro Vigilante, que, entretanto e contactando à distância com o Venerável Mestre em exercício, ia "segurando as pontas" administrativas da Loja.

Foi a situação ideal? Não foi, claro! Foi uma solução de recurso, que o ideal é ser o VM em funções a poder assegurá-las.

A administração da Loja processou-se com normalidade? Claro que não! Uma administração de substituição, ainda que temporária, é sempre um "governo de gestão" que só assegura o dia-a-dia e houve problemas de fundo cujo tratamento teve de ser postergado.

Foi uma má situação ou uma situação desconfortável? Foi, claramente, uma situação que gostaríamos que não tivesse ocorrido, mas... verdade, verdadinha, acabou por nos dar muito gozo ultrapassar! Foi uma espécie de "ó tempo, volta para trás", de relembranças dos mais antigos, de os mais novos verem os mais antigos, "ao vivo e a cores" a dirigir sessões, enfim, o espírito de entreajuda da Mestre Affonso Domingues no seu melhor!

Sobretudo, como muito bem pontuou o José Ruah no seu texto"Do problema que não foi, à solução pelo desafio", "de repente Irmãos que andavam um pouco afastados chegaram-se mais para perto. Vieram para ajudar, com a sua presença mas não só, com as suas ideias, com as suas formas de ver e de fazer.
E tiramos mais uma lição, a da disponibilidade".

Sobretudo, confirmámos a nós próprios que, juntos e cooperando uns com os outros, haverá muitos poucos problemas resolúveis que a Loja Mestre Affonso Domigues não consiga resolver a contento!

O J. D. acabou por vir a concluir que o seu impedimento não lhe permitia reassumir com utilidade o efetivo exercício do ofício e, lealmente, renunciou ao mandato, possibilitando a eleição de um novo Venerável, que dirigisse a Loja até ao final do ano maçónico - e assim veio a ser um Venerável Mestre que dirigiu apenas duas ou três sessões.

Mas seguramente que não deixou a Loja pior do que a recebeu. Deixou-a mais unida, mais ciente de que a união do grupo lhe possibilitará sempre descobrir e executar as soluções para todos os problemas que, tendo solução, se lhe deparem. Tem um lugar honroso na galeria dos nossos antigos Veneráveis!

Rui Bandeira