O Quinto Grão-Mestre

mmguiaO quinto Grão-Mestre da GLLP/GLRP foi Mário Martin Guia. Foi eleito em 16 de dezembro de 2006 e instalado em 24 de março de 2007 para o exercício do seu primeiro mandato. Foi reeleito para um segundo mandato em 7 de março de 2009 e reinstalado em 28 do mesmo mês. Não veio, por opção própria, a completar esse segundo mandato, encurtando-o em cerca de seis meses, de forma a programar a instalação do seu sucessor para uma altura propícia a que essa instalação decorresse com a presença de muitas e importantes delegações estrangeiras.

Este detalhe demonstra bem como Mário Martin Guia dedicou especial preocupação e cuidado às relações internacionais. No decorrer dos seus mandatos, efetuou várias - e algumas prolongadas e esgotantes - viagens dedicadas ao estreitamento dos laços entre a GLLP/GLRP e as Potências Maçónicas Regulares da Europa, de África, dos Estados Unidos e da América do Sul. Foi com ele que a GLLP/GLRP assumiu papel de relevo na Confederação Maçónica Iberoamericana, onde integra a sua Zona VI, conjuntamente com o Grande Oriente do Brasil e as Grandes Lojas de Espanha, Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai, Peru e Uruguai.

Dedicou grande atenção às relações com as Obediências Maçónicas africanas. Foi no decorrer do seu mandato que a GLLP/GLRP apadrinhou a constituição da Grande Loja de Moçambique, tendo Martin Guia sido o Grão-Mestre Consagrante da referida Grande Loja e o Grão-Mestre Instalador do seu primeiro Grão-Mestre, dirigindo uma cerimónia em que também intervieram mais três Grão-Mestres em exercício: o Grão-Mestre da Costa do Marfim, que foi o Primeiro Grande Vigilante Consagrante e Instalador, o das Maurícias, que interveio como Segundo Grande Vigilante Consagrante e Instalador, e o da Rússia, que impôs o avental de Grão-Mestre ao recém-instalado líder da nova Obediência.

Reforçou também os laços de amizade e cooperação com as Obediências europeias.

Em todas as ocasiões e cerimónias solenes em que participou, Martin Guia usava, não um ricamente bordado a dourados avental de Grão-Mestre, mas um simples avental branco, com um discreto bordado na mesma cor nas suas orlas (que fora executado por uma sua familiar). Resultado: dava mais nas vistas o discreto e singelo avental branco do Grão-Mestre português do que toda a rica parafernália dos dirigentes das maiores potências maçónicas!

Internamente, soube rodear-se de uma equipa mista de maçons experientes, de que era exemplo o seu muito eficiente Grande Secretário, e de alguns elementos que introduziu nas lides da Grande Loja. Dirigiu os destinos da Grande Loja delegando nos seus colaboradores, mas sempre deixando bem claro o que pretendia fosse feito. Nesse aspeto, o tio Mário (como nós, os irreverentes novos Grandes Oficiais carinhosa e nem sequer muito secretamente lhe chamávamos) era implacável: sempre com um sorrio nos lábios, um brando tom de voz e uma postura simpática, dava as suas instruções, pedia (ele nunca mandava, pedia; mas os seus pedidos eram sempre satisfeitos - ou então ele voltava a pedir, a lembrar, a insistir, sempre com toda a calma e sorriso prazenteiro, vencendo com a sua persistente brandura a mais empedernida das resistências...) e fazia com que as suas instruções fossem cumpridas.

Como Grão-Mestre, Martin Guia foi um conservador inteligente: soube chamar a si os espíritos jovens, os que mostravam mais irreverência, os mais predispostos a experimentarem coisas novas (e a correr riscos...), integrando-os nas lides da Grande Loja, aconselhando-os, dando-lhes responsabilidades, mas "mantendo-lhes as rédeas curtas", para que os generosos entusiasmos não fossem demasiado imprudentes e não causassem estragos irremediáveis. Os mais antigos foram contactando com e enquadrando o entusiasmo dos mais novos. Estes foram aprendendo e matizando com a sensatez da realidade a irreverência da sua inexperiência inicial.

Martin Guia efetuou, assim, uma tranquila transição de gerações na direção da Grande Loja. Sem perturbações. Paulatinamente. Com o saber-fazer que só a experiência de uma vida bem vivida permite adquirir.

Ao terminar os seus dois mandatos, tinha feito o que queria e deixou uma Obediência unida, organizada, bem enquadrada e bem relacionada externamente, com uma renovação gradualmente feita dos seus quadros dirigentes, enfim, uma Obediência pronta para evoluir a evolução que as condições lhe propiciassem.

Martin Guia, de uma forma muito lúcida, dizia - muitas vezes lho ouvi dizer, sobretudo no seu segundo mandato - que sabia bem que o seu sucessor ia ser diferente dele, ia fazer diferente dele, ia tomar decisões que seriam diferentes das que ele tomaria. Mas acrescentava sempre que assim é que deveria ser: cada um partia do caminho aberto pelo seu antecessor para desbravar o seu próprio caminho.

A evolução tranquila conservadoramente efetuada por Martin Guia deixou a Grande Loja preparada para a evolução futura.

O quinto Grão-Mestre, Mário Martin Guia, foi um excelente Grão-Mestre, cujo mandato é grato recordar.

Obrigado, tio Mário!

Rui Bandeira